Acontece hoje (11) a primeira simulação de drones para entrega de medicamentos do Brasil, em Alphaville (SP). A ação, realizada com um drone autônomo da SMX, irá demonstrar a entrega de medicamentos sobrevoando uma rota de cerca de 500 metros (ponto A ao ponto B) a uma velocidade máxima de 32km/h e 15 metros de altitude.

Um carro ou caminhão, por exemplo, poluem 200 vezes mais que um drone

Segundo a assessoria do evento, "tudo isso será possível graças a uma tecnologia embarcada no equipamento, com um software desenvolvido pela marca brasileira, que permite o cadastramento de todas as coordenadas de origem e destino e criação da rota de voo entre esses pontos. Este sistema possui uma ferramenta de monitoramento que acompanha todos os voos em andamento e em tempo real pela internet. Sendo assim, a operação com o drone pode ser facilmente pausada ou abortada a qualquer momento. Uma câmera de navegação do drone capta e transmite todo o trajeto do voo para o sistema via internet e faz registros fotográficos no momento em que o pacote é entregue no ponto de destino".

A ideia por trás da simulação, obviamente, é mostrar como esse tipo de tecnologia poderá ser utilizada para entregas em áreas remotas, de risco, transporte de vacinas, desfibrilador portátil e até bolsas de sangue (serviço nomeado como Uber de sangue). O drone também é uma alternativa para o regaste em área de riscos e em áreas de difícil acesso em situações de incêndio, por exemplo.

De acordo com dados entregues pelo evento, entre as vantagens do uso dos drones para entregas, estão os seguintes dados: um carro ou caminhão, por exemplo, poluem 200 vezes mais, além disso, uma operação feita com um carro ou caminhão pode chegar a um custo 260 vezes maior do que uma feita com drones.