A Intel fez um estudo para verificar como as pessoas estão reagindo e o quanto elas estão propensas a utilizar um veículo autônomo – e os últimos resultados revelaram que os humanos ainda têm medo dos carros que saem andando sem um motorista.

De acordo com o “Intel Trust Interaction Study” (Estudo de Interação de Confiança), as pessoas ainda estão bastante temerosas em relação aos carros-robôs. A pesquisa foi feita com pessoas que não tinham experiência prévia com veículos desse tipo e foram convidadas a andar em um.

Segundo a companhia, são sete aspectos que têm um papel fundamental nesse sentimento.

O primeiro deles é que, apesar de acreditar que os autônomos poderão contribuir com a segurança, ainda existe uma grande preocupação em relação a forma como eles vão reagir a situações como uma fechada ou outros cenários mais imprevisíveis.

Logo depois vem a questão de andar sem qualquer tipo de interação com o sistema que está conduzindo o carro, o que pode fazer com que, caso não haja algum entretenimento eficiente para prender a atenção, pode fazer com que a viagem fique chata.

As pessoas também temem que as empresas e montadoras não consigam encontrar um equilíbrio entre comunicar o suficiente ou comunicar demais quando se trata das informações que o sistema deve dar aos passageiros, como as tomadas de decisão, mudanças de rota ou qualquer outro detalhe minucioso. Enquanto o compartilhamento dessas informações por parte do carro dê confiança e tranquilidade aos ocupantes, se for demais pode atrapalhar.

Não saber como a tecnologia realmente funciona também causa apreensão nas pessoas e a parte de comunicação por voz entre o veículo e os passageiros é outra preocupação.

Por fim, alguns participantes do estudo revelaram que, apesar de não seguirem as leis estritamente, eles ficaram curiosos em saber como o carro vai se comportar em situações em que existem brechas.