A Boeing, junto com a Agência de Exploração Aeroespacial Japonesa (JAXA), anunciou que pretende testar o uso de sensores LiDAR em suas aeronaves. A ideia é verificar se o sensor, que funciona com base na emissão de lasers, consegue monitorar de forma eficiente as condições metereológicas.

Apesar de a empresa e a agência trabalharem juntas no desenvolvimento da tecnologia desde 2010, a primeira aplicação prática só acontecerá no ano que vem, em um Boeing 777 da FedEx que vai utilizar um sistema feito pela JAXA.

A expectativa é que o LiDAR ajude os sistemas de navegação a identificar turbulências a uma distância de até 17 quilômetros. Isso será feito através os pulsos de laser que são emitidos e que permitem que o sistema identifique quão longe partículas de poeira com base na reflexão do laser. Assim, os pilotos conseguirão ter uma ideia da velocidade do vento em diferentes pontos ao longo do trajeto percorrido pelo feixe.

O resultado é uma leitura mais precisa que vai permitir que os pilotos escolham a rota mais “suave” e mais eficiente em uma viagem. Além disso, a Boeing e a JAXA também querem avaliar a possibilidade de usar o LiDAR para desenvolver um sistema que possa fazer com que os aviões se pilotem sozinhos – um projeto que já vem sendo discutido pela fabricante de aviões.