A Ásia será uma região na qual será mais difícil para que a Uber se estabeleça: a Grab, uma empresa baseada em Singapura, vai receber investimentos que podem totalizar US$ 2,5 bilhões (R$ 7,8 bilhões) para se firmar no sudeste asiático – uma região que conta com mais de 600 milhões de pessoas.

Uma das empresas que deu dinheiro, inclusive, é conhecida por ter superado a plataforma norte-americana na China. A Didi Chuxing, que ficou conhecida como “a matadora da Uber” no país, é um dos grandes nomes que aparece junto com a Softbank, uma das gigantes de tecnologia da região, a impulsionar os negócios da Grab e frear a Uber, que tem uma participação de 71% no mercado de caronas pagas.

As duas empresas respondem por boa parte dos US$ 2 bilhões que a Grab já conseguiu na rodada de investimentos.

A Grab tem mais de 1,1 milhão de motoristas registrados ao longo de sete países que fornecem serviços de transporte com carros, táxis e motocicletas – e que incorpora o serviço de pagamento móvel da empresa, o GrabPay. A expectativa da empresa é levantar os US$ 500 mil restantes para fortalecer sua posição no mercado.