Você já parou para se perguntar se os carros do futuro ainda terão ou precisarão ter placas convencionais, como vemos nos veículos atuais? A Mercedes-Benz resolveu se fazer essa pergunta e acabou descobrindo algumas tecnologias que estão sendo desenvolvidas para que as placas de metal que servem hoje para identificar os automóveis sejam substituídas por algo mais compatível com a era digital.

Uma das dessas tecnologias foi apresentada no Salão de Detroit de 2017 pela Reviver. O rPlate, produto da empresa, é um display de LCD que vai no mesmo lugar da placa, só que é equipado com GPS, acelerômetro, sensores de rádio frequência e acesso CAN bus.

Ele mostra um código de forma digital e que também permite que o veículo se comunique com as autoridades em tempo real – inclusive, a informação mostrada pode ser alterada pelo órgão responsável, por exemplo, para indicar quando o veículo for roubado ou que o motorista está com a carteira vencida.

Se não bastasse, quando o veículo está estacionado, o display pode ser usado como um pequeno outdoor para mostrar propagandas e, graças à função de geolocalização, essas ações podem ser customizadas para a área em que o carro está parado.

Quatro estados norte-americanos já estão testando o sistema de placas digitais. A expectativa, na verdade, é que sistemas como o do rPlate evoluam para que nem mesmo o display seja necessário: apenas a função de conectividade já seria o suficiente para identificar e atrelar um determinado veículo ao seu dono e/ou condutor.

A conectividade, inclusive, possibilita a integração com outros diversos serviços além do “Google AdSense para carros”, como é o caso de pagamentos por meios digitais para estacionamentos e outros serviços – é como um SemParar já integrado no mesmo sistema de identificação do seu veículo e que pode servir para pagar uma infinidade de coisas de forma rápida e descomplicada, como através do smartphone.

Outra evolução que a Mercedes levanta é que, em um mundo em que sua digital é utilizada para abrir, fechar e ligar os carros, é possível que essa mesma funcionalidade possa servir para ligar você a aquele determinado veículo.

Vale lembrar que os drones da DJI, por exemplo, já contam com um código de identificação digital que pode ser conferido de forma remota – exatamente como um projeto do governo norte-americano quer que seja o padrão para que as autoridades sejam capazes de vincular um possível drone envolvido em um ato criminoso a uma pessoa.

Se essa mesma identificação remota for possível com os carros, será que ainda precisaremos dos bons e velhos códigos estampados em pequenas placas de metal? Deixe sua opinião nos comentários!