Vincenzo: a máfia italiana encontra a corrupção corporativa da Coreia

Imagem de: Vincenzo: a máfia italiana encontra a corrupção corporativa da Coreia
Imagem: Netflix

Não é nenhuma novidade que a Netflix vem investindo pesado em séries e filmes estrangeiros, mas o que muitos talvez não saibam é do nicho de séries asiáticas que a gigante do streaming vem produzindo, conhecidos popularmente como doramas. Uma das últimas produções foi o drama criminal Vincenzo, que durante os dias de sua exibição original ficava constantemente no TOP 10 de mais vistas no Brasil.

Vincenzo foi transmitida simultaneamente no streaming e em sua emissora nativa, tvN, encerrando-se no primeiro fim de semana de maio. A série conta a história de um advogado ítalo-coreano que trabalha como consigliere – uma espécie de “conselheiro resolvedor de problemas” – para a máfia italiana.

Após conflitos dentro da família, ele volta para a Coreia e tenta reaver o ouro de um mafioso chinês que anos antes tinha ajudado a esconder nos porões do Geumga Plaza. Entretanto, acaba se envolvendo numa enorme briga judicial contra o Grupo Babel, que tenta comprar o prédio de forma ilegal.

VincenzoCena de Vincenzo (Imagem: Netflix)

Assim como a maioria das últimas produções coreanas, Vincenzo se mostra uma série que sabe intercalar momentos de tensão e ação com humor, combinando também os princípios da máfia italiana com a comédia típica coreana. Os primeiros episódios são mais mornos, entretanto, a trama cresce muito a partir do 4º episódio, chocando o espectador e deslanchando a história. Tanto o roteiro como a direção de Vincenzo são altamente inspirados em filmes como O Poderoso Chefão e O Grande Gatsby, o que enriquece muito a trama para quem tem um olhar mais atento.

Um show de atuação e roteiro

A história se mantém alta no decorrer da trama, com episódios mais pesados e focados em ação e disputa, e outros com mais comédia e carga emocional, voltados especificamente para desenvolvimento dos personagens.

A atuação impecável do elenco é um ponto fortíssimo, especialmente para Song Joong-ki, que dá vida ao personagem título: um anti-herói que, apesar do senso de justiça, não deixa de ser um criminoso que age de acordo com os ideais da máfia.

Os vilões também são um sucesso à parte, indo desde pessoas com dubiedades morais até níveis de psicopatia. Tudo isso é complementado com a hilária Jeon Yeo-been no papel da advogada Hong Cha-young que completa o time do mafioso contra a Babel.

vincenzoCena de Vincenzo (Imagem: Netflix)

Os moradores do Geumga Plaza são praticamente o próprio núcleo de comédia, eles protagonizam cenas e episódios que podem ser considerados até “fillers”, mas cumprem o papel de divertir o público.

Season finale

Toda a direção de Kim Hee-Won ajuda a contar a história de maneira dramática, a modo que temos uma fotografia mais escura e passagens mais lentas em cenas de ação. Mas não se pode dizer que é o que chama mais atenção na série, apesar da diretora ter sido indicada ao prêmio Baeksang de 2021 - o equivalente ao Globo de Ouro - pelo seu trabalho.

O final da temporada de Vincenzo prometia muito e não supriu totalmente as expectativas do público. Se mostrou simplista e direto até demais. Algumas tensões que eram dignas de um último episódio foram antecipadas, deixando a grande final um pouco previsível. Entretanto, manteve-se fiel e verossímil à sua trama, e também ao costume de finais mais abertos que as séries coreanas de ação costumam ter.

Vincenzo: a máfia italiana encontra a corrupção corporativa da Coreia