PIX: bancos querem regras flexíveis para impedir golpes e roubos

1 min de leitura
Imagem de: PIX: bancos querem regras flexíveis para impedir golpes e roubos
Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Avatar do autor

Um grupo de instituições bancárias que atuam no Brasil está solicitando ao Banco Central do Brasil (BC) uma flexibilização no regulamento do PIX, a plataforma instantânea de transferência de dinheiro por meios digitais.

O motivo é a preocupação com o uso do método em golpes, roubos e sequestros — afinal, o dinheiro é passado rapidamente de uma conta para outra, sem restrição de horários de funcionamento e com limites altos de transferência.

Recentemente, reportagens mostraram como esse tipo de crime está cada vez mais difundido, com números bastante relevantes em algumas regiões, como São Paulo. Com a flexibilização das regras, as instituições buscam formas de evitar os golpes.

O que pode mudar?

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, um dos pedidos envolve a liberdade de negociação de limites entre bancos e clientes — por enquanto, esses valores são os mesmos de outra forma de transferência, o TED, com mudanças apenas mediante pedido do dono da conta.

Além disso, os bancos querem a liberdade de negociar limites por plataforma, ou seja, via computador e celular. A quantidade máxima de envios e dinheiro transferido também pode receber um limite menor em certas faixas de horário, como a madrugada.

Outra demanda envolve o prazo máximo de 24 horas para que o banco aceite um aumento de limite. Atualmente, o reajuste ocorre em apenas 1 hora, permitindo que esse comando seja usado por criminosos para obrigar a vítima a passar ainda mais dinheiro via PIX.

Segundo a reportagem, o BC ouviu as demandas e mantém conversas com as instituições, mas ainda não sinalizou se vai atender a algum dos pedidos.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.