Após valorizar 700%, criptomoeda brasileira é listada na Probit

1 min de leitura
Imagem de: Após valorizar 700%, criptomoeda brasileira é listada na Probit
Imagem: Moss.Earth/Divulgação
Avatar do autor

A criptomoeda brasileira MCO2, que é lastreada em crédito de carbono e usada para compensação das pegadas do CO2, obteve uma valorização de 700% e se tornou a primeira criptomoeda nacional listada em uma corretora do Top 30 global. A novidade foi divulgada pela companhia Moss.Earth, responsável pelo token. A moeda agora está sendo comercializada em uma das maiores exchanges do mundo, a Probit.

O MCO2 foi auditado por instituições internacionais e registrado na Verra, fundação responsável pelo registro global de créditos voluntários. Conforme informado pela Moss.Earth, o MCO2 será negociado a partir desta quinta-feira (01) — evento que também marca a primeira vez que a Probit abre sua plataforma para venda de créditos de carbono.

Para os clientes da exchange, haverá uma pré-venda que, entre outras vantagens, oferecerá bônus de 10% na compra do ativo. Com isso, até 7 de abril, a criptomoeda será cotada em US$ 15,00 (cerca de R$ 86,15 na conversão direta). Atualmente, o ativo está disponível nas plataformas Mercado Bitcoin, FlowBTC e Uniswap.

Crédito de carbono: como funciona?

Esquema explicativo sobre o impacto do ativo MCO2.Esquema explicativo sobre o impacto do ativo MCO2.Fonte:  Moss.Earth/Divulgação 

De modo geral, créditos de carbono são unidades de medida que correspondem individualmente a uma tonelada de dióxido de carbono e servem para calcular a redução das emissões de gases do efeito estufa, bem como seu possível valor de comercialização.

Em apenas um ano de existência, a Moss.Earth e seus clientes enviaram à Amazônia mais de US$ 13 milhões para a preservação de 780 milhões de árvores. Segundo a empresa, a parceria com a Probit permitirá que mais pessoas colaborem para a neutralização da emissão de CO2 e apoiem projetos de proteção ambiental.

Expectativa de valorização

Segundo instituições como o FMI, o preço do crédito de carbono terá um aumento significativo nos próximos anos. A estimativa é que cada tonelada custe US$ 100 (R$ 563,19, conforme a cotação do dia). Quanto ao MCO2, espera-se uma valorização de até 550%. Caso a expectativa seja alcançada, o seu valor de mercado terá dado um novo salto, alcançando nada menos do que R$ 575.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.
Após valorizar 700%, criptomoeda brasileira é listada na Probit