Epic Games processa Google e Apple após empresas banirem Fortnite

2 min de leitura
Imagem de: Epic Games processa Google e Apple após empresas banirem Fortnite
Imagem: Epic Games
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

O departamento jurídico da Epic Games teve trabalho nesta quinta-feira (13). Horas depois de abrir um processo contra a Apple, a desenvolvedora responsável por Fortnite entrou também com uma ação bastante similar contra a Google.

Ambos os processos legais estão relacionados com a remoção do fenômeno Fortnite das lojas oficiais de iOS e Android. O primeiro caso envolveu a Maçã, que ficou furiosa com a medida da desenvolvedora de inserir microtransações por fora da plataforma mobile — o que significa que as gigantes não ficariam com a fatia pré-estabelecida em contrato em cima de cada transação realizada. Como resposta, ela baniu o jogo da loja digital. Em seguida, a Google seguiu o mesmo caminho de proibição e também recebeu a ordem judicial.

Os dois processos trazem uma premissa parecida: de que Apple e Google eram empresas idealizadas e revolucionárias quando mais novas, mas agora viraram competidoras desleais. No caso da Maçã, o texto faz menções à campanha de lançamento do Macintosh, com o clássico comercial que faz alusão à obra "1984", de George Orwell.

Para a Google, há referências sobre o antigo lema interno da marca, "Não Seja Mau", que hoje seria apenas uma lembrança e resultou exatamente no oposto.

Uma luta antiga

A principal crítica da Epic Games envolve a taxa de 30% cobrada nas duas plataformas em cima de cada microtransação ou compra feita dentro do aplicativo, incluindo moedas virtuais. Isso seria um controle considerado rígido demais em relação aos parceiros — sendo que, no caso da Apple, a App Store é a única loja disponível para download de aplicativos. 

A Google ainda foi acusada de forçar o encerramento de uma parceria entre a desenvolvedora e fabricantes do Android, como OnePlus e LG, que queriam oferecem o software pré-instalado nos dispositivos e por fora da Play Store. 

O conflito na plataforma é ainda mais antigo: Fortnite ficou mais um ano sendo oferecido apenas no site oficial e em outras lojas por se recusar a pagar a taxa original da gigante.

E agora?

Ambos os processos foram abertos em uma corte da Califórnia e não pedem qualquer tipo de compensação financeira em forma de indenização. Entretanto, a ideia é mesmo reduzir em definitivo a taxa cobrada nas lojas.

Segundo a Google, o Android é um ecossistema que permite a distribuição de apps por várias lojas diferentes, o que amenizaria a situação. Entretanto, para participar da Play Store, é preciso seguir políticas "que são justas aos desenvolvedores e mantêm a loja segura para usuários". A Apple afirma que a Epic Games se beneficiou de ferramentas e distribuição do iOS por anos e concordava com os termos e princípios da plataforma até então, citando igualmente justiça e segurança à comunidade.

Para se aproveitar do momento usando marketing, a Epic Games lançou uma hashtag (#freefortnite) e até fez um evento no game parodiando o comercial do Macintosh. A próxima temporada do game começa em duas semanas e, se o caso não for resolvido até lá, essa atualização não será possível nas duas plataformas.

Epic Games processa Google e Apple após empresas banirem Fortnite