Entregadores tentam criar cooperativa para largar iFood e Uber Eats

2 min de leitura
Imagem de: Entregadores tentam criar cooperativa para largar iFood e Uber Eats
Imagem: Paulo Galo/Divulgação
Avatar do autor

No último sábado, entregadores de diversas cidades brasileiras se mobilizaram novamente para pressionar plataformas como iFood, Uber Eats e Rappi a aumentarem valores de corridas e melhorarem condições de trabalho, mas um grupo de profissionais pretende cortar vínculos com grandes empresas e fundar uma cooperativa com um aplicativo próprio – criando, assim, uma alternativa autogerenciada.

A iniciativa foi sugerida ao movimento Entregadores Antifascistas por Eduarda Alberto, entregadora do Rio de Janeiro e estudante de Arquitetura e Urbanismo na UFRJ, e conta com o apoio voluntário de advogados, economistas, programadores e estudiosos do cooperativismo de plataforma. "A luta não é só por melhoria dentro do aplicativo. Até porque muito foi refletido internamente de que lutar por melhoria dentro do aplicativo não resolve nossos problemas, né?", afirmou em entrevista à BBC News Brasil.

Entregadores Antifascistas está por trás do projeto que busca independência de plataformas.Entregadores Antifascistas está por trás do projeto que busca independência de plataformas.Fonte:  Zé Carlos Barretta/Folhapress 

Buscando inspiração em cooperativas de entrega já existentes no exterior, os responsáveis pelo projeto, entretanto, encontram barreiras, como altos custos e a otimização de algoritmos. De acordo com pessoas do setor consultadas pela BBC News Brasil, o desenvolvimento inicial de um aplicativo enxuto do tipo custa cerca de R$ 500 mil.

Rafael Grohmann um dos apoiadores do movimento, pesquisador em trabalho digital e professor do Instituto Humanitas Unisinos, ressalta: "A tecnologia não é neutra. As plataformas, do modo como são construídas, têm uma gestão algorítmica que acaba beneficiando as empresas."

Da teoria à prática

Para tornar o projeto realidade, o grupo já está em contato com a CoopCycle, uma federação que reúne 30 cooperativas do tipo, sendo 28 na Europa e duas no Canadá, e que permite que iniciativas em diferentes cidades compartilhem serviços, como uso de um software e aplicativo comuns, com objetivo de baratear custos.

Ainda assim, existem limitações, já que, mesmo que a plataforma já tenha sido traduzida, é necessário adaptá-la a um sistema de pagamentos que opere no Brasil e motos não são incluídas no sistema, apenas bicicletas. Enquanto a cooperativa não sai do papel, o WhatsApp e o Instagram já estão sendo utilizados pela Aline Rieira, que gerencia entregas a uma rede de clientes pelo Señoritas Courier, em São Paulo.

Enquanto cooperativa não sai do papel, o grupo Señoritas Courier gerencia entregas por redes sociais.Enquanto cooperativa não sai do papel, o grupo Señoritas Courier gerencia entregas por redes sociais.Fonte:  Reprodução/Señoritas Courier 

“Esse ano, com o crescimento da quantidade de clientes e bikers por causa da pandemia, vimos que a cooperativa é uma saída interessante, mas algumas integrantes ainda estão na dúvida, pois hoje elas têm algumas vantagens (menos impostos) atuando como MEI (microempreendedor)", finaliza Aline.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Entregadores tentam criar cooperativa para largar iFood e Uber Eats