Senado aprova estado de calamidade pública por videoconferência

2 min de leitura
Imagem de: Senado aprova estado de calamidade pública por videoconferência
Fonte: (Fonte: Brasil247/Reprodução)
Avatar do autor

Pela primeira vez na história do Brasil, o Senado Federal realizou uma votação remotamente. Em meio a tropeços e problemas de conexão, a câmara alta do Congresso Nacional aprovou a entrada do Brasil em estado de calamidade pública causada pela epidemia da COVID-19, doença provocada pelo novo Coronavírus.

Presidida pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG), primeiro vice-presidente do Senado, a sessão foi realizada a partir de uma sala no Senado. Três telões exibiam as imagens de outros parlamentares. Junto ao vice-presidente — que substituiu Davi Alcolumbre (DEM-AP), diagnosticado com COVID-19 —, estava Weverton (PDT-MA), relator da matéria e toda equipe técnica do Senado.

(Fonte: Blog Gran Cursos/Reprodução)(Fonte: Blog Gran Cursos/Reprodução)Fonte:  Blog Gran Cursos 

O começo da sessão foi um momento conturbado entre os senadores. Muitos relavam dificuldade para se conectarem, alguns não conseguiram lidar com as ferramentas mais modernas e problemas técnicos atrapalharam pioraram a situação. Uma frase muito dita pelos parlamentares foi “Vossa excelência, está me ouvindo?” e “Estamos online?”, disparou Luis Carlos Heinze (PP-RS).

Ainda em período de adaptação, a plataforma impôs alternância entre a ativação de microfones e confundiu os participantes da votação. Senadores reclamavam que seus microfones não funcionavam até que Anastasia esclareceu a situação: todos os microfones são desligados por padrão enquanto a palavra está com outro parlamentar. O dispositivo só é aberto quando a palavra é passada para o respectivo senador.

"Vossa excelência, está me ouvindo?"

“Como estamos nessa fase de aprendizado, todos os microfones ficam desligados. Eles são ligados aqui da central. E há um chat onde as pessoas colocam suas observações, que estou acompanhando aqui. É um olho numa tela e um outro em outra tela”, disse o vice-presidente.

Senadores foram chamados em ordem de idade, começando pelos mais velhos. Um dos primeiros a votar, Lasier Martins (PSD-RS) de 77 anos, teve problemas para se comunicar. Primeiramente, ele recusou o convite para a participação da videoconferência por engano e precisou de ajuda da equipe técnica do Senado para entrar na chamada.

Posteriormente, parlamentares relataram problemas de conexão à internet. Styvenson Valentim (PODEMOS-RN), só foi capaz de participar da votação na segunda chamada.

Outro aspecto interessante da videoconferência foi a forma que os parlamentares escolheram o cenário para se enquadrarem. Enquanto Jorge Kajuru (Cidadania-GO) participava da sessão do seu próprio gabinete do Senado, Kátia Abreu (PDT-TO) estava na beira da rodovia, em um posto de gasolina, enquanto partia de Brasília para Palmas.

A calamidade pública

Aprovada com 77 votos na sessão remota, o decreto legislativo (PDL 88/2020) reconhece que o país está em estado de calamidade pública devido a pandemia do COVID-19.

A medida, inédita em nível federal, autoriza o governo a desrespeitar a meta fiscal, permitindo remanejamento de recursos para enfrentamento do novo Coronavírus.

Leia tambémQuantos podem morrer pelo coronavírus no Brasil? Cientistas respondem!

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Senado aprova estado de calamidade pública por videoconferência