Nova Xiaomi? Realme vendeu 15 milhões de celulares em seu 1º ano de vida

1 min de leitura
Imagem de: Nova Xiaomi? Realme vendeu 15 milhões de celulares em seu 1º ano de vida
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Em maio de 2018, a fabricante de smartphones Oppo lançou a submarca Realme, focada em dominar o cobiçado mercado da Índia. Após mais de um ano do início da empreitada, parece que a estratégia deu certo: a subsidiária conseguiu vender 15 milhões de celulares em seus primeiros 12 meses na indústria e está entre as maiores marcas no território indiano. Agora, o objetivo é alcançar e desbancar a líder em vendas do país, a chinesa Xiaomi.

Segundo o Madhav Sheth, CEO da Realme, o objetivo da empresa é dobrar o número de smartphones comercializados durante o ano de estreia até o fim de maio de 2020. Se isso acontecer, possivelmente a companhia vai conseguir subir ainda mais no ranking de vendas na Índia. Atualmente, a subsidiária da Oppo ocupa a quarta colocação em volume de aparelhos vendidos no país, com uma fatia de mercado de 14,3%.

Realme X2 Pro. (Fonte: XDA Developers/Reprodução)

Apesar de Xiaomi liderar isolada com 27% de participação no mercado indiano e a Samsung manter quase 19% do market-share, a Realme impressiona no crescimento. No último trimestre, a subsidiária da Oppo viu seus números crescerem mais de 800%, colocando a marca entre as sete maiores fabricantes do mundo.

Receita do sucesso

O crescimento absurdo da Realme vem da utilização de técnicas de empresas bem-sucedidas do mercado chinês, como é o caso da Xiaomi, que se tornou líder na Índia em apenas cinco anos. Além disso, a firma possui a estrutura da Oppo, que atualmente está entre as cinco maiores fabricantes de celulares do mundo.

A Realme possui smartphones em todos os segmentos de preço e que apostam em hardware de ponta e custo-benefício. Desde sua fundação, a empresa também faz a venda dos aparelhos totalmente online, para cortar custos e garantir controle da distribuição. No ano que vem, a firma pretende começar a aparecer em lojas de varejo na Índia e comercializar 30% de seus celulares em estabelecimentos físicos, o que deve aumentar a clientela da marca.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Nova Xiaomi? Realme vendeu 15 milhões de celulares em seu 1º ano de vida