Apple reconhece problemas trabalhistas na produção do iPhone 11

1 min de leitura
Imagem de: Apple reconhece problemas trabalhistas na produção do iPhone 11
Avatar do autor

A Foxconn, principal unidade de montagem da Apple, foi acusada por um grupo responsável por monitorar o trabalho na China de violar diversas leis trabalhistas. Em meio à denúncia do órgão, a companhia alegou que uma investigação a respeito está sendo realizada.

Conforme o posicionamento oficial da empresa, muitas das alegações não procedem. Entretanto, em seu comunicado, a Apple reconhece que o volume de trabalho temporário contratado pela fábrica foi de 50%, muito acima dos 10% permitidos por lei.

Embora nenhuma das empresas tenha admitido, o aumento no número de trabalhadores temporários, acima do permitido, é reflexo direto da pressa em aumentar a cadeia produtiva dos novos modelos de iPhone 11 no país. Os aparelhos serão anunciados em evento especial da Apple nesta terça-feira (10).

Soluções

Há um impasse entre o órgão que controla as leis trabalhistas na China e a Apple. Enquanto a empresa diz estar trabalhando com a Foxconn para resolver o problema, a entidade afirma que as medidas para corrigir a situação ainda não foram tomadas. Isso porque, no momento em que as duas companhias normalizarem o setor produtivo, haverá problemas para continuar com a alta fabricação de iPhones.

Foxconn (Fonte: Olhar Digital/Reprodução)
(Fonte: Olhar Digital/Reprodução)

A organização afirma também que a Foxconn tem exigido turnos extras dos trabalhadores para ampliar a demanda. Segundo a Apple, o aumento de carga horária dos funcionários é voluntário. Em 2017, as companhias já tiveram problemas com a produção dos últimos modelos de iPhone quando um grupo de funcionários estudantes estava trabalhando mais do que a carga horária permitida; no país, quem estuda está protegido por lei para trabalhar apenas em turnos e horários específicos.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Apple reconhece problemas trabalhistas na produção do iPhone 11