Bitcoin consome tanta energia quanto toda a Suíça, afirma estudo

2 min de leitura
Imagem de: Bitcoin consome tanta energia quanto toda a Suíça, afirma estudo
Fonte: pixabay
Avatar do autor

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, apontou que o gasto energético promovido pelo Bitcoin é equivalente ao gasto anual de toda a Suíça. O levantamento foi feito com o uso de uma ferramenta online chamada Índice de Consumo de Eletricidade Bitcoin de Cambridge, ou CBECI. A ferramenta estima quanta energia é necessária para manter a rede Bitcoins em funcionamento em tempo real e compara com outros indicadores.

Atualmente, a ferramenta estima que o Bitcoin está usando cerca de sete gigawatts de eletricidade, o equivalente a 0,21% da oferta mundial ou à energia gerada por sete usinas nucleares com a capacidade de Dungeness, no Reino Unido.

Para "minerar" o Bitcoin, os computadores conhecidos como máquinas de mineração estão conectados à rede de criptografia. Eles são encarregados de verificar transações feitas por pessoas que enviam ou recebem Bitcoins. Este processo envolve a resolução de quebra-cabeças.

Os quebra-cabeças não são essenciais para verificar os movimentos do Bitcoin, eles simplesmente fornecem um obstáculo para garantir que ninguém edite de forma fraudulenta o registro global de todas as transações. Os mineradores, ocasionalmente, recebem pequenas quantidades de Bitcoin o que resulta em lucros para eles.

Fonte: Divulgação/Pixabay.

Para ganhar ainda mais dinheiro nesse processo, as pessoas muitas vezes conectam um grande número de mineiros à rede - até mesmo salas cheias deles, o que gasta muita eletricidade. No entanto, o especialista em energia Bitcoin, Alex De Vries, ressalta que é a pegada de carbono da moeda criptográfica que realmente importa. Ou seja, as emissões associadas aos recursos de eletricidade usados para alimentar a criptomoeda.

O Bitcoin ainda parece usar muito mais energia por transação do que todos os bancos do mundo juntos

Em entrevista à BBC News, De Vries disse que a rede Bitcoin tem um problema de consumo de energia que é muito alto, apesar de processar menos de 100 milhões de transações financeiras por ano. Em comparação, a indústria financeira tradicional processa 500 bilhões de transações por ano. "O Bitcoin ainda parece usar muito mais energia por transação do que todos os bancos do mundo juntos, considerando a quantidade de energia usada pelos data centers", afirmou.

Segundo um estudo publicado na revista científica Joule, a eletricidade usada para manter a rede Bitcoin, produz cerca de 22 megatoneladas de CO2 por ano, o equivalente às emissões da cidade de Kansas, no Estados Unidos. Apesar de serem números estimados, está bem claro que o Bitcoin consome uma grande quantidade de energia e que isso resulta em um grande impacto ambiental.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Bitcoin consome tanta energia quanto toda a Suíça, afirma estudo