Imagem de: Huawei terá limitações para negociar com os EUA

Huawei terá limitações para negociar com os EUA

1 min de leitura
Avatar do autor

O presidente dos Estados Unidos anunciou no final de semana que as empresas estadunidenses poderão voltar a vender seus produtos para a Huawei, em anúncio feito após uma reunião entre Donald Trump e o chefe de Estado chinês Xi Jinping, durante o encontro do G20 na cidade de Osaka, no Japão. Mas… parece que as coisas não voltarão a ser como antes.

Presidente do Comitê Econômico Americano disse que nova decisão de Trump precisa passar por alguns processos antes de começar a vigorar

A decisão desagradou muita gente entre os ianques, incluindo deputados republicanos, que manifestaram preocupação com a segurança nacional — a gigante chinesa, que tem grande presença na estrutura de rede das conexões de internet na Terra do Tio Sam, é acusada de espionagem com seus dispositivos. Algumas pessoas chegaram a classificar como “erro catastrófico”.

Para amenizar as críticas, o presidente Comitê Econômico Americano, Larry Kudlow, explicou a proibição em mais detalhes em uma entrevista na TV. Ele adiantou que o Ministério do Comércio oferecerá mais detalhes sobre o novo acordo assim que ele estiver prestes a entrar em vigor — mas não disse uma data exata para isso e nem quando começa a valer. 

huaweiFonte: GizChina

Kudlow enfatizou que a Huawei só poderá comprar “produtos de chip americanos que são igualmente vendidos em larga escala nos outros países”. Ele também rebateu as críticas dizendo que a segurança nacional continua sendo prioridade e que tudo está passando por alguns processos antes da conclusão do assunto.

Ou seja, o banimento acabou, mas ele não deve ser assim para tudo o que a Huawei costumava negociar antes da recente proibição. Como isso vai afetar o mercado de 5G, de celulares e o desenvolvimento de um sistema operacional próprio, são as principais perguntas para os próximos dias.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Huawei terá limitações para negociar com os EUA