Imagem de: Jony Ive, designer do iPhone, deixa a Apple após quase 30 anos
Fonte: Apple/Divulgação

Jony Ive, designer do iPhone, deixa a Apple após quase 30 anos

1 min de leitura
Avatar do autor

O designer Jony Ive está deixando a Apple após quase 30 anos trabalhando na companhia. Ive anunciou que está saindo da empresa para abrir sua própria firma de design, que terá a Apple como principal cliente. A nova companhia se chama LoveFrom e será chefiada por Ive e pelo designer Marc Newson.

Em comunicado enviado à imprensa, o executivo-chefe Tim Cook afirmou que a empresa vai continuar a se beneficiar do trabalho de Ive trabalhando diretamente com ele em projetos exclusivos. “Jony é uma figura única no mundo do design e seu papel no ressurgimento da Apple não pode ser exagerado, do inovador iMac em 1998 ao iPhone, passando pela ambição sem precedentes do Apple Park, para onde ele recentemente direcionou muito de sua energia e cuidado”, disse Cook.

Além dos produtos citados, Ive também foi responsável pelo design do Apple Watch, do iPod e do iPad. Como diretor de design da empresa, seu trabalho também está presente no software da companhia. Em 2013, com o lançamento do iOS 7, a Apple abandonou o esqueumorfismo das primeiras versões do sistema operacional e adotou uma nova linguagem de design que é seguida até hoje, tanto nos dispositivos móveis como no macOS.

Com a saída de Ive, Evan Hankey, atual vice-presidente de design industrial, e Alan Dye, vice-presidente de design de interfaces, irão responder diretamente ao diretor de operações Jeff Williams. Segundo a empresa, Williams agora irá passar mais tempo trabalhando diretamente com as equipes de design.

No comunicado, Ive agradece pelo tempo que passou na empresa. “Tenho total confiança em meus colegas de design na Apple, que continuam sendo meus amigos mais próximos, e mal posso esperar para trabalhar com eles por muitos anos”, concluiu o designer.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Jony Ive, designer do iPhone, deixa a Apple após quase 30 anos