A China está definitivamente no mercado do 5G. O Ministério de Indústria e Tecnologia da Informação do país anunciou nesta quinta-feira (06) a concessão de licenças para quatro operadoras trabalharem com a nova geração de conectividade móvel.

China Telecom, China Mobile, China Unicom e China Radio and Television foram as escolhidas, sendo que a última é uma novidade, já que antes só operava com outros meios de comunicação, mas agora é a quarta maior operadora chinesa de telecomunicações.

As licenças só deveriam sair em outubro deste ano, mas o governo resolveu antecipar o processo para trabalhar o mais rápido possível na implementação. O próximo passo envolve o estabelecimento de parcerias entre operadoras e empresas de infraestrutura, o que inclui as gigantes locais Huawei e ZTE, além de estrangeiras como a Ericsson.

A situação atual

Por enquanto, segundo o site Gizmochina, são 100 estações-base prontas para transmitir o sinal 5G dentro da Zona de Livre Comércio de Shenzehen, porém poucos produtos locais têm suporte à tecnologia. Outras cidades deverão ganhar pontos parecidos nas próximas semanas.

A Huawei pode estar especialmente agradecida por essa velocidade: a empresa encara problemas no setor de produtos por causa da guerra comercial com os Estados Unidos e pode ter que depender ainda mais de infraestrutura em telecomunicações para manter o crescimento.