O Departamento de Justiça dos Estados Unidos iniciou uma ação criminal contra o engenheiro James Smalley, acusado de falsificar dezenas de relatórios de inspeção de peças usadas em foguetes da SpaceX. Smalley pode pegar até 10 anos de prisão pelas acusações, além de ter que pagar uma multa no valor de US$ 250 mil (cerca de R$ 1 milhão).

James Smalley era engenheiro da PMI Industries, empresa contratada para produzir peças para dois modelos de foguetes da empresa de Elon Musk — o Falcon 9 e o Falcon Heavy. Para verificar e atestar a qualidade das peças, foi contratada a terceirizada, a SQA. Foram os relatórios da SQA que James Smalley falsificou. Ele havia copiado a assinatura de um dos fiscais da empresa e falsificado pelo menos 38 relatórios, tendo liberado 76 peças rejeitadas ou não inspecionadas, para a SpaceX.

Prejuízo

De acordo com o Departamento de Justiça, ao menos 10 missões foram afetadas pelas peças irregulares, incluindo duas para a Força Aérea dos EUA. A SpaceX descobriu a fraude em janeiro de 2018, durante os preparativos para o lançamento de um satélite da NASA, e encaminhou a questão para a NASA, o que levou o Escritório de Investigações Espaciais da Força Aérea e o FBI a investigarem o caso.

Em 2015 a SpaceX já havia perdido centenas de milhões de dólares quando um foguete foi destruído em vôo. Ele transportava uma carga para a Estação Espacial Internacional, o que também resultou numa enorme perda para a NASA.

"Tal conduta fraudulenta põe em risco não apenas o sucesso do programa, mas a vida de bravos homens e mulheres que confiam na integridade não apenas dos próprios veículos espaciais, mas de todos aqueles que ajudam a projetar e construir", disse o promotor federal James Kennedy ao anunciar as acusações.