O número de assinatura de linhas móveis pós-pagas está em crescimento no Brasil, segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em abril de 2019, foram registradas 102,85 milhões de unidades em operação a partir desse tipo de plano. Isso representa 44,89% do mercado e um aumento de 12,44% (ou 11,37 milhões de novas linhas) ao longo de 12 meses.

Apesar de a modalidade pré-paga ainda dominar o setor, ela apresentou queda de 12,79% (-18,44 milhões unidades), com 125,78 milhões de linhas ativas no mesmo período. Foi ainda registrado o total de 228,63 milhões de linhas pré e pós-pagas em abril de 2019, indicando redução de 3% (-7,07 milhões de unidades) nos últimos 12 meses.

Prestadoras de pequeno porte crescem

A Anatel também divulgou que Prestadoras de Pequeno Porte (PPPs) estão ganhando mais visibilidade no país. Ao longo de um ano, as PPPs registraram crescimento de 11,59%, o que representa 610,85 mil novas linhas para o segmento e o total de 5,87 milhões em abril de 2019. Porém, nesse mesmo mês o índice de crescimento foi interrompido com queda de 5,59% (-348,31 novas assinaturas).

No grupo de PPPs, a Nextel domina o número de assinaturas, com 58% da fatia do mercado (3,44 milhões linhas). A companhia teve crescimento de 15,71% em um ano, adquirindo 467,43 mil novos assinantes.

A Datora ocupa a posição seguinte, apresentando 196,41 mil novos assinantes em abril de 2019 (crescimento de 84,38%) e o total de 429,19 mil no período. A Porto Seguro é a terceira colocada no segmento, mas registrou queda de 45,04% (-286,08 mil) no número de assinantes, encerrando o mês com o total de 349,06 mil.

(Fonte: Pexels/Reprodução)

Vivo domina mercado móvel

Segundo a Anatel, a Vivo foi a maior operadora móvel do Brasil em abril de 2019, acumulando 73,58 milhões de unidades no período. A Claro ocupava a segunda colação, com 56,37 milhões de linhas, seguida da TIM, com 55,20 milhões, e da Oi com 37,58 milhões.

Todas essas companhias tiveram queda no número de assinantes durante os últimos 12 meses: a TIM com redução de 4,06% de linhas ativas (-2,33 milhões), Claro com menos 4,43% (-2,61 milhões), Oi menos 3,20% (-1,24 milhão) e Vivo menos 1,98% (-1,48 milhão).

A explicação para essa queda pode estar interligada à insatisfação dos brasileiros com as grandes operadoras móveis. No site Reclame Aqui, por exemplo, elas lideram a categoria de “Piores empresas nos últimos 30 dias”, o que pode estar beneficiando as PPPs no país.