Alguns dos maiores casos de vazamento de dados da história até então tiveram o Yahoo como protagonista e continuam rendendo mesmo após alguns anos. Agora, a novidade é que o acordo proposto pela companhia à Justiça dos Estados não foi aceito:  ela havia se disposto a pagar US$ 50 milhões às 200 milhões de vítimas de Estados Unidos e Israel a título de indenização.

De acordo com a Reuters, a juíza distrital Lucky Koh, da Califórnia, avaliou que o acordo proposto não é “fundamentalmente justo, adequado e razoável” porque é pouco transparente e não cita quanto vai receber cada vítima do vazamento que expôs endereços de email e outras informações pessoais.

Vazamentos da Yahoo podem ter atingido 3 bilhões de contas, informou a empresa em 2017

Além disso, a autoridade considerou que a proposta da Yahoo não determinava o tamanho do fundo de acordo nem os custos de notificação e administração dos fundos do acordo.

“O acordo proposto não revela os custos dos serviços de monitoramento de crédito ou os custos da administração do acordo e da notificação da ação, e não revela o tamanho total do fundo de liquidação”, escreveu a juíza. “Sem conhecer o tamanho total do fundo de acordo, os magistrados não podem avaliar a razoabilidade do acordo”, concluiu.

Os ataques e vazamentos que desde 2013 atormentam o Yahoo, agora uma empresa do grupo Verizon, pode ter afetado mais de 3 bilhões de contas, reconheceu a empresa em 2017. Haja acordo para recompensar tanta gente assim — e isso provavelmente deve se arrastar mais um bocado de tempo nos tribunais.