Se você, usuário doméstico, já reclama dos updates do Windows 10, imagine o que passa uma equipe de TI numa empresa multinacional com mais de 50 mil funcionários. Não estamos falando só do trabalho que esse pessoal tem para manter tudo funcionando, estamos falando de tempo e dinheiro. Muito dinheiro.

Eis porque há uma necessidade da Microsoft de lançar uma versão mais enxuta do Windows para clientes corporativos. A ISO atual do SO é muito grande (acima de 4 GB) e os pacotes de atualização, idem. O impacto que esses updates causam em grandes empresas não pode ser ignorado. Mesmo quando se faz as atualizações por grupos de PCs, a banda de rede utilizada pode afetar os micros que não estão recebendo updates.

Em algumas esquipes das maiores empresas do mundo, sessenta minutos que um PC fica sem funcionar, significa uma quantidade enorme de grana que a empresa deixa de estar recebendo. Ao longo de um ano o prejuízo pode ser incalculável.

Por esse motivo, a Microsoft começou a diminuir o tamanho dos pacotes de updates para clientes corporativos a partir do dia 27 de setembro. A redução foi de 4,8 GB para 2,6 GB. É uma boa redução, porém é importante ressaltar que a medida implica em limitações. Por exemplo, não estarão presente as atualizações cumulativas, pacotes de idiomas e patches de segurança menos importantes. Nesse caso elas terão que ser baixadas separadamente. Dessa forma dará para economizar largura de banda, pois será possível que os clientes optem por quais pacotes de atualizações serão baixados e instalados.