Há cerca de um mês, a Google proibiu terminantemente em sua loja online, a Play Store, a presença de aplicativos que de alguma forma minerassem criptomoedas com ou sem o consenso do usuário. Isso estava acontecendo bastante – aplicativos que, por trás de seu funcionamento normal, usavam o processamento dos celulares para obter moedas virtuais para terceiros, prática que geralmente é proibida.

Vale lembrar que apenas os apps que fazer mineração foram proibidos da Play Store; outros, como aplicativos de corretoras de moedas virtuais e afins ainda estão liberadas

A empresa deu para os desenvolvedores de apps desse tipo 30 dias para que removessem esse recurso de seus apps ou que os tirassem indefinidamente do ar. Acontece que passado esse período, pelo menos metade dos programas que mineravam criptomoedas quando a proibição foi divulgada ainda funcionam normalmente e estão disponíveis como antes na Play Store.

(Quase) nada mudou

Segundo a publicação The Next Web, dos oito aplicativos de mineração de criptomoedas encontrados na Play Store um mês atrás, quatro ainda estão lá para quem quiser baixar, sendo que um deles, o Bitcoin Miner, afirmou ter se ajustado às novas políticas da Google.

Vale lembrar que apenas os apps que fazer mineração foram proibidos da Play Store; outros, como aplicativos de corretoras de moedas virtuais e afins ainda estão liberados normalmente na loja online. A Apple também possui o mesmo tipo de limitação na App Store. A Google não se manifestou oficialmente sobre o acontecimento.