O mercado de streaming de música, apesar de recente, já é bastante consolidado, com nomes de peso como o Spotify, a Apple Music e, correndo por fora, o Deezer e alguns outros. Entrar em um nicho desses não é uma tarefa fácil, mas a Amazon, cujo CEO Jeff Bezos é o homem mais rico do mundo, não quer perder tempo e trazer sua plataforma para o Brasil na virada de 2018 para 2019.

Fora do Brasil, a Amazon Music vai muito bem e já ostenta um terceiro lugar entre os sites de streaming musical mais acessados

A informação veio de fontes consultadas pelo Estadão: a Amazon Music deve dar as caras por aqui muito em breve e já estaria montando equipe e preparando toda a estrutura para dar suporte à plataforma no país. Segundo a publicação, a Amazon já estaria estudando parcerias e realizando reuniões para mostrar o que tem a oferecer para o mercado brasileiro. A empresa não deu maiores detalhes sobre as operações.

Rumo ao topo

Fora do Brasil, a Amazon Music vai muito bem e já ostenta um terceiro lugar entre os sites de streaming musical mais acessados, perdendo apenas para o Spotify, que tem cerca de 83 milhões de assinantes, e a Apple Music, com 40 milhões. O Deezer já ficou para trás, com apenas 12 milhões de usuários, deixando o serviço da Amazon com o bronze e 20 milhões de ouvintes.

A briga no Brasil vai ser com essas três empresas, além de outras como o Google Play Música (enquanto este ainda não for substituído pelo YouTube Music, como já aconteceu lá fora) e o Tidal, do rapper Jay-Z, que também oferece assinaturas no país. A briga pode ser complicada para a Amazon, mas o mercado é favorável – e está em crescimento aqui: aumentou 64% em comparação com 2016. Qual será a fatia que a empresa de Jeff Bezos vai conseguir conquistar?