Se poder trabalhar de casa já é uma vantagem e tanto, o que você diria da ideia de trabalhar numa ilha virtual meio The Sims, meio Second Life? Estranho? Pois essa foi a ideia da eXp Realty, uma empresa do ramo imobiliário que funciona inteiramente num escritório virtual. O espaço “acomoda” nada menos do que 13 mil corretores imobiliários e 200 funcionários do setor administrativo, que vivem uma experiência de trabalho, digamos, gamificada. O único endereço físico da empresa – mantido meramente por uma exigência legal – é uma pequena sala comercial na cidade de Bellingham, a 140 quilômetros de Seattle, no estado norte-americano de Washington.

Segundo Scott Petronis, CTO da empresa, o uso do ambiente virtual permitiu à eXp Realty aproveitar uma série de vantagens difíceis de encontrar nos escritórios físicos, entre elas uma comunicação interna mais simples e eficaz, o fim das faltas motivadas por mau tempo e a facilidade de contratar novos talentos independentemente de onde eles estejam – afinal, a empresa emprega pessoas de qualquer parte do mundo para intermediar a compra e a venda de imóveis. A ideia foi tão bem recebida que, só no último ano, o valor das ações da eXp quadruplicou, rendendo à imobiliária uma valorização de mercado da ordem de US$ 610 milhões.

Para saber mais sobre essa dinâmica de trabalho, a repórter Prachi Bhardwaj, do Business Insider, aceitou o convite de Petronis e do VP de Marketing da eXp, Mitch Robinson, para um tour pelo seu ambiente de trabalho virtual – uma ilha inteirinha da empresa. O passeio rendeu visitas às áreas comuns e escritórios da corretora, além de uma ida à praia e até um passeio de barco. Confira!

Primeiro passo: definir seu personagem

Antes de entrar no escritório, os funcionários da eXp podem personalizar seus bonecos e definir como vão se vestir naquele dia. Quem quiser, pode fazer uma série de ajustes no corte de cabelo, na cor da pele e dos olhos, no formato do rosto e montar um visual com base em dezenas de opções de peças de roupa – e não é frescura, não. A ideia é contemplar a maior variedade possível de opções, permitindo que as pessoas se expressem como são de verdade, o que inclui até mesmo trajes religiosos.

Segundo passo: se localizar no ambiente

Assim que definiu sua personagem, Bhardwaj chegou a uma área de convivência da empresa. Lá, ela encontrou seus guias no tour pela eXp: o CTO Scott Petronis e o VP de Marketing Mitch Robinson. Segundo o relato da repórter, os controles eram bem fáceis: o usuário pode usar tanto o mouse quanto o teclado para se movimentar no ambiente virtual.

Hora de começar a conversa

Assim que se encontraram, os três puxaram uma cadeira e se sentaram no pátio da eXp para conversar sobre o campus. Bhardwaj relata que não demorou a notar uma placa (sinalizada na imagem) com os dizeres “Melhor empresa para se trabalhar”, em referência ao prêmio Glassdoor recebido pela eXp em 2018. Segundo ela, detalhes como esse fazem com que o ambiente virtual pareça muito mais real, porque estabelecem uma conexão com práticas comuns de empresas que têm escritórios físicos. “Deve ser mais fácil frequentar um escritório fictício assim”, disse a repórter.

Conhecendo a ilha

Ao fim de um rápido bate-papo, Bhardwaj, Petronis e Robinson começaram de fato seu tour pela ilha. A primeira visão que tiveram foi das duas torres que abrigam os corretores e a equipe de processamento – dois prédios enormes com as bandeiras do Canadá e dos Estados Unidos. Bhardwaj notou que os executivos já estavam tão familiarizados com o ambiente que usavam com a maior naturalidade expressões como “tal coisa está atrás de mim”, como se eles tivessem de fato uma noção espacial muito apurada daquele lugar.

Na sequência, os três foram até a sala onde fica a equipe de Tecnologia. Para isso, tudo o que ela teve de fazer foi clicar num menu e selecionar o ambiente, sem a necessidade de caminhar até o prédio e pegar um elevador – o que, além de prático, evita que as pessoas se percam por lá, concorda?

Por dentro da sala da equipe de Tecnologia

A sala da equipe de Tecnologia é um bom exemplo de como as coisas foram detalhadamente pensadas no ambiente virtual da eXp. Como numa sala real, lá as pessoas podem usar um painel para compartilhar suas telas e fazer apresentações. Além disso, as marcações azuis no chão demarcam o alcance da sua voz, ou seja, a delimitação espacial que representa quem pode ouvir o que você diz. Para Bhardwaj, essa pareceu uma boa maneira de conversar sem ser interrompida pelas conversas dos outros.

Conhecendo as áreas de lazer

Mesmo sendo virtual, o ambiente de trabalho da eXp não dispensa as áreas de lazer – afinal, por que não aproveitar as possibilidades de personalização quase ilimitadas de um espaço desses? Há várias opções, desde um campo de futebol até uma praia, onde acontecem eventos com direito a fogos de artifício em datas comemorativas. Ah, e para não causar inveja nos que estão trabalhando, só quem está na praia consegue ver as comemorações. De dentro do escritório, é como se elas não estivessem acontecendo.

Para finalizar sua passagem pela ilha da eXp, Bhardwaj curtiu um passeio de barco, que descreveu como “estranhamente relaxante”. “É esquisito, mas até que gostei de navegar pelas ondas daquele mar virtual pela tela do computador”, relatou. A repórter ainda questionou os executivos sobre como uma empresa de 1 bilhão de dólares lida com a falta de interatividade de um ambiente virtual, mas ouviu de Scott que “esse não é um problema”, e que eles preferem conhecer as pessoas no mundo real – inclusive, acredite, quando viajam de férias e mudam o roteiro quando passam pela cidade de um colega de trabalho.

E aí, ficou com vontade de trabalhar num lugar assim, ou achou tudo remoto e estranho demais? Conte para a gente nos comentários!