Um juiz federal nos EUA decidiu nesta terça-feira (12) que não há implicações legais contra a compra da produtora de conteúdo Time Warner pela operadora de telecomunicações AT&T. A procuradoria pública defendia que, apesar de as duas empresas não serem concorrentes diretas, a aquisição poderia representar aumento de preço para clientes de outras operadoras que tentassem ter acesso ao conteúdo da Time Warner. Isso considerando que a AT&T poderia dar descontos a seus clientes de TV por assinatura ou serviços de streaming enquanto cobraria a mais pelo mesmo conteúdo distribuído por outras empresas.

O juiz responsável pelo caso, que já fazia aniversário nos tribunais, disse que a acusação não tinha argumentos suficientes para embasar essa teoria do aumento dos preços. Ele também não criou nenhum tipo de limitação para a operação, o que dá à AT&T poder para fazer o que quiser depois dessa aquisição.

Essas empresas não querem perder o negócio da TV por assinatura

Esse tipo de movimento, de uma operadora de telecomunicações comprar um conglomerado de mídia, deve continuar acontecendo nos EUA. Essas empresas não querem perder o negócio da TV por assinatura, considerando que as companhias de mídia gradualmente estão abraçando serviços de streaming, fazendo com que a base de clientes da TV paga diminua.

Além dessa aquisição aprovada hoje, a operadora Comcast pode disputar com a Disney pela compra da 21st Century Fox, que é dona de canais de TV e do conhecido estúdio de cinema.