O “Right to Repair Act” (ou “Ato do Direito de Reparo”) é um projeto de lei oferece mais opções de conserto para seus aparelhos. Desde que a ideia foi introduzida, no começo do ano passado, já conseguiu o apoio de 17 estados norte-americanos. Agora é a vez da Califórnia engrossar a lista em prol dos consumidores.

Gigantes da tecnologia, como a Apple, já se manifestaram contra o projeto de lei

Em suma, o documento exige às gigantes da tecnologia que confeccionem manuais e disponibilize peças oficiais para o reparo de seus produtos, liberando os clientes para ajustar o aparelho com terceiros ou até mesmo realizar a trabalho em casa. O texto também prevê informações sobre quais ferramentas seriam ideias para isso.

A comunidade de consumidores, claro, apoia essa iniciativa porque assim os custos poderiam cair, assim como o número de dispositivos jogados fora. Além disso, uma parcela acredita que isso poderia até mesmo servir como incentivo para experimentos e, quem sabe, inovações. "O projeto de lei é fundamental para proteger reparos independentes e um mercado competitivo de reparo, o que significa melhor atendimento e preços mais baixos. Também ajuda a preservar o direito dos donos de dispositivos individuais de entender e consertar sua própria propriedade", comenta Kit Walsh, advogado sênior da Electron.

Enquanto aguarda aprovação o “Right to Repair Act” sofre dura resistência das companhias, em especial a Apple, que acredita ser um “parque de diversões para hackers”, que assim teriam o necessário para montar e modificar aparelhos da forma que quisessem.

Cupons de desconto TecMundo: