A Qualcomm anunciou nesta semana a assinatura de um acordo com quatro gigantes da telefonia móvel chinesa: Xiaomi, Lenovo, Vivo e Oppo. O chamado Memorando de Entendimento (MoU, na sigla em inglês) firmado entre as empresas expressa a intenção de aquisição e fornecimento de tecnologia para comunicação mobile.

A novidade foi anunciada ontem (24), durante o China Technology Day, promovido pela Qualcomm na China. As aquisições devem acontecer ao longo dos próximos três anos e podem resultar em um negócio de até US$ 2 bilhões.

Os componentes em questão envolvem soluções de comunicação via radiofrequência (RF) para produtos finais, como rastreadores, switches, filtros, antenas, amplificadores e outras plataformas dedicadas à conectividade mobile. O acordo assinado nesta semana prevê ainda o fornecimento de tecnologia 5G por parte da Qualcomm para as suas novas parceiras.

Acordo pode resultar em negócios de até US$ 2 bilhões ao longo dos próximos três anos, informa a Qualcomm

“A Qualcomm tem oferecido suporte para o ecossistema mobile chinês por muito tempo e a assinatura do acordo de hoje com Lenovo, OppoVivoXiaomi ressalta o nosso comprometimento com ele, bem como a nossa estratégia de ampliar os nossos negócios de radiofrequência”, ressaltou o presidente da Qualcomm Cristiano Amon.

“As nossas soluções robustas de RF ajudam essas fabricantes não apenas a construir dispositivos energeticamente eficientes a um custo justo, mas também a entregar aparelhos móveis avançados para consumidores na China e no restante do mundo”, complementou o executivo.

Futuro

O MoU é apenas um acordo que sinaliza uma possível negociação, não um contrato de compra e venda em si, e as empresas ressaltam que qualquer aquisição e fornecimento de tecnologia a partir dele ainda precisa ser firmado em novos contratos posteriores. Atualmente, a China é o segundo maior mercado da Qualcomm, mas deve se tornar o primeiro em breve, aponta Amon — e este acordo faz parte da estratégia para alcançar este ponto.

Vale lembrar ainda que a rival Broadcom fez uma oferta de US$ 103 bilhões recentemente pela Qualcomm, a qual foi inicialmente rechaçada pela diretoria da empresa. Contudo, ainda é cedo para descartar um possível acordo entre as duas gigantes, o que provavelmente causaria alterações na forma como a Qualcomm se relaciona com as suas parceiras.