O crescimento vertiginoso do Bitcoin, a criptomoeda que está valendo hoje quase R$ 58 mil reais, tem preocupado o presidente do Banco Central brasileiro Ilan Goldfajn. Segundo ele, a moeda virtual é um esquema de pirâmide e uma bolha, sendo um alto risco investir nesse tipo de ativo sobre o qual o Banco Central não tem controle.

Comprar e passar para frente, o que é uma típica bolha ou pirâmide, não é algo que nós reguladores deveríamos incentivar

Em entrevista coletiva, Goldfajn afirmou ao fazer um balanço da instituição em 2017: “Como estão hoje, com essa subida vertiginosa sem lastro e sem regulação, essas moedas levam a um risco tal que o BC emitiu um alerta. Isso tem que ser levado em consideração por aqueles que compram e transacionam essas moedas”.

O presidente do Banco Central também considera que as criptomoedas podem ser usadas para atividades ilícitas, afirmando que usar esse tipo de moeda não isenta do crime, da pena e da punição, e que a possibilidade da compra para revenda a maior preço posteriormente configura em esquema de pirâmide: “Comprar e passar para frente, o que é uma típica bolha ou pirâmide, não é algo que nós reguladores deveríamos incentivar”, disse Goldfajn.