Um novo estudo trazido pela Zenith revelou números bastante interessantes sobre o consumo de vídeos online em 2017. Segundo eles, o tempo que os consumidores investem a nível global cresceu para 47,4 minutos por dia, em média, o que representa um crescimento de aproximadamente 20% em comparação aos 39,6 minutos gastos em 2016.

Boa parte disso, por sua vez, seria resultado de um uso maior de nossos smartphones e tablets. O aumento nesse sentido foi de 35% na visualização através desses dispositivos, representando uma média de 28,8 minutos diários. Já em aparelhos fixos, como computadores e smart TVs, o crescimento foi de meros 2%, mantendo-se em torno de 18,6 minutos por dia.

Os dados, vale notar, levam em consideração todo o tipo de plataforma de transmissão que pede uma conexão com a internet. Isso inclui não apenas o bom e velho YouTube ou Facebook, como também serviços como a Netflix e o Hulu.

Enquanto o móvel sobe, o fixo cai

As informações trazidas pela Zenith também revelaram algo quase preocupante para os amantes das plataformas estacionárias. Apesar do crescimento mostrado acima, a previsão é que 2017 marque o pico da visualização física: mesmo que as smart TVs representem um crescimento contínuo, elas não compensam o declínio nos PCs com o abandono desses dispositivos para os celulares.

Como resultado, as previsões são de uma queda de 1% em 2018 e de 2% em 2019 na visualização de vídeos nessas plataformas. Já os dispositivos móveis devem crescer 25% e 29% nesses mesmos períodos, respectivamente, representando 72% de todos os vídeos assistidos online – o que é um número respeitável em comparação aos 61% atuais.

Publicidade mobile ganha mais força

Tudo isso também gera uma mudança considerável na maneira como o mercado investe em suas publicidades. As previsões são de que, em 2017, o gasto com propagandas em vídeos online cresça em 23%, chegando a US$ 27,2 bilhões. Em 2018 e 2019, por sua vez, as expectativas são de um aumento de 21% e de 17%, respectivamente, chegando aos 38,7 bilhões de dólares.

É preciso notar, no entanto, que o mercado ainda gasta mais com propagandas para o mercado fixo. O motivo? As maiores telas desses aparelhos são melhores em permitir a visualização de vídeos com menos distrações – o que significa um melhor ambiente para que as empresas apresentem suas marcas.

O mercado fixo pode ter maior investimento em publicidade nos vídeos em 2017, mas isso deve se inverter até o próximo ano

Mesmo assim, o enorme crescimento do uso das plataformas móveis deve mudar esse quadro em 2018. Se atualmente US$ 15,2 bilhões são gastos em vídeos fixos e US$ 12 bilhões foram para os vídeos móveis, no próximo ano o mobile deve crescer para US$ 18 bilhões, enquanto o fixo vai reduzir para apenas US$ 15 bilhões.

É claro que, apesar de tudo, os dados ainda podem mostrar leves diferentes, visto serem em sua maioria previsões. Mesmo assim, considerando o crescimento cada vez mais absurdo da visualização de vídeos e do uso de aparelhos móveis, não seria surpresa ver os aparelhos móveis tomando ainda mais espaço do que previsto.

Cupons de desconto TecMundo: