Estamos entrando em uma nova década, já rodeados por um bombardeio de tecnologias. Do campo verde (Nvidia), temos nomes como 3D Vision, SLI e outras siglas de virar os olhos. A AMD ATI segue de perto na onda do 3D, introduzindo na mistura também brincadeiras como suporte para múltiplos monitores (Eyefinity) e DirectX 11.

Esses, no entanto, são somente alguns dos nomes quentes que pairam pelas telas de todos, ao menos no mundo dos jogos e dos PCs. Mas falando em computadores, como vai a sua querida máquina? Poderosa, equipada e pronta para os desafios da nova década? Se a resposta for sim, parabéns: siga adiante e corra para aproveitar os seus games prediletos.

3D, múltiplos  monitores e muito mais

Agora, se o seu pobre PC já está “capenga” com aquela placa de vídeo de dez anos atrás, à beira da autodestruição graças ao acúmulo excessivo de poeira e vítima de muitos anos de uso, não se preocupe.

No especial de hoje você lê dezenas de dicas para aqueles que buscam um novo companheiro, abrangendo principalmente quais são componentes capazes de exibir os jogos com a qualidade que eles merecem!
 

Entendendo a divisão

Aos apressados, que fique bem claro: a primeira porção do texto será dedicada à explicação do que é necessário atualmente dentro de cada família de componentes, de modo que se obtenha um desempenho minimamente aceitável nos jogos.

São esclarecidas também algumas dúvidas mais frequentes a respeito das diferenças entre os modelos de processadores, velocidades e núcleos, sistemas operacionais e até mesmo acerca da quantidade de memória RAM necessária.

Somente depois de detalhado tudo isso é que chegaremos às configurações mínimas sugeridas para jogos — seção recheada de opções e comentários para quem ainda estiver na dúvida.

                                          

Vídeo demonstrativo da tecnologia Eyefinity

Se mesmo depois de tudo isso você continuar perdido, não esquente, pois algumas sugestões “organizadas” estão disponíveis ao fim do texto, separadas de acordo com seus respectivos custos. Pronto para atualizar um pouco seu desejo por um novo computador? Então vamos lá!


Dual vs. Triple vs. Quad vs. Octo

Nem sempre mais cabeças significam maior velocidade

Quando falamos em poder de processamento dos computadores, uma ideia é unanime: quanto mais, melhor! Mas será que essa é realmente uma lógica correta? Tratando exclusivamente dos processadores temos um grande dilema, referente ao número de núcleos de processamento.

Os modelos com apenas uma “cabeça” — tais como os antigos Athlon XP — já não são mais frequentes nos desktops, tendo um mercado mais forte em ultraportáteis e celulares. Em seu lugar entraram os modelos com dois, três, quatro e até mesmo oito unidades idênticas que trabalham em paralelo processando os dados, garantindo máximo desempenho em situações que exigem gerenciamento multitarefa.

Sem suporte para todos

Porém, muitos dos programas (inclusive jogos) ainda não foram programados para tirar vantagem do processamento em paralelo, utilizando um ou dois dos núcleos na maior parte dos casos. Isso significa que muitas vezes um processador do tipo Dual-Core pode desbancar com facilidade um Octo-Core nos jogos, desde que tenha um ciclo de funcionamento mais elevado (clock).

Unreal Tournament 3

O próprio Tim Sweeney — da Epic Games — afirmou que a Unreal Engine 3 (de Unreal Tournament III e Gears of War) foi otimizada somente para duas unidades físicas de processamento, tendo pouquíssimos ganhos com mais delas.

A briga do custo e do desempenho

Como elas trazem mais “processadores dentro do pacote”, as variantes com muitos núcleos também tendem a ser mais caras em comparações diretas de clock por clock. Também geram muito mais calor, o que exige que suas frequências de operação sejam mais baixas. Logo, não há vantagem imediata na compra delas.

Os modelos do tipo Dual-Core ainda contam com mais espaço para a prática do overclock (justamente pela menor emissão de calor e pela complexidade reduzida na alimentação de energia). Isso acarreta um ganho praticamente imediato de desempenho, ainda mais em situações complexas, tais como explosões com partículas, muitos inimigos na tela ou ainda no caso de jogos com rotinas avançadas de inteligência artificial.

Familia de  processadores Intel

Entretanto, muita atenção com relação ao overclock: apenas quem é experiente deve tentá-lo, afinal de contas, ajustes impróprios e condições inadequadas de uso podem literalmente fritar o processador (e todo o seu investimento).

E no futuro?

Os sistemas operacionais já vêm mostrando evoluções significativas com relação à utilização de rotinas multitarefa. De tal forma, é no mínimo natural que os desenvolvedores de jogos trilhem um percurso similar, angariando mais das capacidades dos modelos com quatro (ou mais) núcleos. Alguns dos únicos exemplos atuais de jogos que têm código dedicado à utilização de quatro núcleos são Crysis (da Crytek, conhecida pelos seus feitos tecnológicos) e Supreme Commander.

Logo, quem quiser se preparar para a nova onda de aplicativos que virá em breve pode se armar com modelos como o AMD Athlon II X4 620 e o Intel Core i7 860, que oferecem uma boa mescla entre características, velocidade e custos.

Crysis lidera em  efeitos gráficos

Cabe notarmos que enquanto a Intel está levando ampla vantagem em desempenho com a sua nova linha iX de processadores, a AMD dá um banho na concorrente quando o assunto é preço baixo. Não se preocupe, pois a seguir você verá algumas opções “prontas” de modelos de equipamentos para comprar.

Placa de vídeo

Este será um dos componentes mais caros do seu computador

Você ainda roda os jogos naquela “MX 440”? Pois é, a cada mês que passar menos jogos serão compatíveis com tecnologias passadas. Muitos dos games recentes trazem como requerimento absoluto o suporte para DirectX 9 e Shader Model 3.0, enquanto outros apelam para o cúmulo de não rodar em nenhuma placa inferior à Nvidia GeForce 8800 GT (ou equivalente da AMD ATI).

Os jogos estão tão pesados assim? A resposta é que sim e você precisa se adequar aos novos tempos. A boa notícia, no entanto, é que as placas de médio custo (mid-range) de última geração estão sendo vendidas a preços bem mais acessíveis do que os vistos no passado, algumas ficando abaixo até mesmo de R$ 450 pelo Mercado Livre.

DirectX 11 ou não, eis a questão...

Para este ciclo de placas de vídeo, quem está atrasada é a Nvidia, que possui apenas a linha 200. Ela traz recursos para imagens em 3D (desde que em conjunto com o kit 3D Vision) e desempenho considerável de acordo com os modelos, mas suporte apenas para DirectX 10. A nova linha (Fermi) tem previsão de lançamento para março, mas as coisas ainda estão bem incertas pelas fábricas.