Ciente de que a internet pode ser um lugar tão mágico quanto assustador, a LEGO lançou nesta semana uma nova rede social segura voltada a crianças. Permitindo o acesso somente de pessoas com 13 anos ou menos, o novo site da companhia permite o compartilhamento de criações feitas a partir das pecinhas de plástico.

Acessível através de um aplicativo para o iOS, Android e para o Amazon Kindle Fire, a Lego Life permite ver o que outras pessoas criaram e compartilhar obras que você tenha feito. Segundo Rob Lowe, diretor sênior da Lego Life, a novidade responde a uma demanda de crianças que gostam de divulgar suas criações na internet.

Em vez de fotos, os usuários são identificados por personagens de LEGO

“Eles não querem compartilhar somente com sua família e com seus amigos, e não há redes sociais às quais eles possam se juntar”, afirmou ele ao Engadget. Segundo Lowe, a rede social foi lançada sem grande alarde há pouco tempo no Reino Unido, já tendo conquistado um sucesso relativo até o momento.

Ambiente online seguro

A LEGO trabalhou junto à UNICEF e à FTC para elaborar ferramentas que garantam a segurança das crianças que participam da comunidade. Além de impedir o uso de nomes reais, os registros ficam associados a contas de email pertencentes a pais e responsáveis — outra solução empregada é que fotos reais são trocadas por avatares formados por peças de LEGO.

Os comentários são feitos através de emojis e stickers

Também há um processo de moderação das fotografias publicadas para assegurar que nenhuma delas mostre rostos ou elementos que possibilitem identificar uma pessoa. A recompensa dada a quem participa ativamente da comunidade são adesivos especiais baseados nos diversos temas já abordados pelos brinquedos, que podem ser usados em comentários ou como enfeites nas contribuições realizadas.

O importante para nós é manter as crianças mais anônimas possível

A Lego Life também conta com um sistema de moderação de comentários, sendo que textos somente podem ser publicados nas postagens feitas pela companhia. Já os usuários só podem interagir uns com os outros usando stickers e emojis. “As crianças podem ser mais sensíveis a comentários negativos”, explicou Lowe.

A LEGO estuda possibilitar o upload de vídeos no futuro, mas ainda está incerta sobre como fazer isso — narrações podem atuar como forma de identificar uma pessoa. “O importante para nós é manter as crianças mais anônimas possível”, esclarece Lowe. “Não há muitas ferramentas para crianças contarem histórias. Aqui, há uma maneira fácil e divertida de elas fazerem isso”, concluiu.