Não é raro ver a Ciência tornando à natureza para se inspirar em soluções. Dessa vez, a busca de um grupo de cientistas do Korea Advanced Institute of Science & Technology por uma tecnologia de LEDs orgânicos mais eficiente os levou a usar como referência um inseto bastante famoso por seu brilho – nada menos, é claro, do que um vagalume.

Os resultados desse estudo, segundo o artigo publicado na ACS Publications, foi dos mais surpreendentes: eles foram capazes de desenvolver um OLED 60% mais brilhante do que sua contraparte comum. Para isso, não foi necessário uma maior fonte de energia nem uma tecnologia completamente diferente para os LEDs – tudo o que eles fizeram foi mudar a estrutura das lentes que envolvem os diodos em escala nanoscópica.

Como vocês já devem imaginar pelo que falamos antes, as novas lentes do LED feito por eles imitam a “casca” que abriga os químicos bioluminescentes do vagalume. Isso porque o exterior dessa estrutura é composto por uma camada de minúsculas “lajotas” hexagonais, que reduzem o nível de refração entre a saída da luz de seu corpo e o ar, resultando na possibilidade de emitir mais luz.

À esquerda, a estrutura de um vagalume; ao centro, a versão criada pelos cientistas; à direita, uma comparação entre um LED comum (acima) e a nova versão (abaixo)

E no que isso seria usado, na prática? Além de permitir fontes de iluminação mais poderosas, uma TV poderia, por exemplo, utilizar esses LEDs especiais para gerar imagens com o mesmo nível de brilho, mas apenas gastando uma fração da energia original. Torçamos, com isso, que essa tecnologia saia da teoria.

Você acredita no futuro da tecnologia OLED? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: