Poucas são as pessoas que podem se dizer orgulhosas de terem criado um relógio digital a partir do zero com apenas 14 anos de idade. Uma delas é o brilhante Ahmed Mohamed, um adolescente de origem muçulmana que estuda na cidade de Irving, Texas, nos Estados Unidos. Porém, em vez de ser reconhecido pelo magnífico feito, o jovem sofreu com o preconceito e foi acusado de ter criado uma suposta "bomba caseira".

O caso aconteceu na última segunda-feira (14), na instituição MacArthur High School onde Mohamed frequenta suas aulas. De acordo com o próprio relato do jovem, o relógio digital havia sido criado na noite do domingo, e, orgulhoso, pretendia mostrar a criação para seus tutores. O objeto foi confeccionado com uma placa de circuito impresso e uma bateria ligados digitalmente a um dispositivo inserido em um projetor de holograma. Um projeto simples, mas impressionante se considerarmos a idade e conhecimentos que Mohamed possui.

O brilhante jovem Ahmed Mohamed, criador de um relógio digital que foi confundido com uma bomba.

O começo do preconceito

Ao mostrar a sua criação para seu professor de engenharia, a reação não foi exatamente como ele esperava. Apesar de seu tutor ter elogiado o projeto, a recomendação foi de que o jovem não mostrasse o relógio digital para outros professores. Mohamed manteve sua criação na mochila e foi para a aula de inglês.

Lá, por conta de uma infelicidade sem tamanho, o alarme do relógio digital começou a disparar, o que incomodou a professora que ministrava a aula. O jovem mostrou sua criação para ela que acabou confundindo o objeto com uma bomba. Assustada, ela acionou a direção do colégio, que imediatamente chamou a polícia para averiguar o caso.

Criar novos objetos eletrônicos é o hobby do jovem estudante.

A prisão do jovem

Com a chegada dos oficiais, nenhuma explicação oferecida pelo jovem Mohamed foi o suficiente para impedir o que aconteceria em seguida. Ele foi levado à sala do diretor do colégio, onde foi interrogado por cinco polícias sem a presença de seus pais. Depois, o estudante foi levado para um centro de detenção juvenil onde foram tiradas suas impressões digitais. Lá, ele foi mantido com suas mãos presas nas costas em algemas e com dois seguranças para garantir que ele não fizesse nada suspeito.

Segundo o pai de Ahmed Mohamed, o jovem só foi preso por causa de sua origem muçulmana e por conta da proximidade do dia 11 de setembro

De acordo com as autoridades locais, essa ação foi necessária porque o artefato poderia ser uma bomba disfarçada de relógio e que seria colocada em um banheiro ou embaixo de um carro. Segundo a polícia local, Mohamed ainda pode ser acusado de ter criado uma "bomba falsa" para ameaçar outras pessoas.

Ahmed Mohamed foi apreendido por ter criado um relógio digital que foi confundido com uma bomba.

Por quê?

Não precisa pensar muito para concluir que tudo não passou de um caso de preconceito. Segundo o pai de Ahmed Mohamed, o jovem só foi preso por causa de sua origem muçulmana e por conta da proximidade do dia 11 de setembro, data em que aconteceu o ataque às torres gêmeas nos Estados Unidos em 2001. Curiosamente, o estudante nasceu exatamente no mesmo ano em que o ato terrorista assolou o país.

Quando era mais novo, Mohamed fazia parte do clube de robótica da escola. A criação é um dos hobbys dele, que a partir de agora não levará mais as suas invenções para o colégio. Por que esse tipo de situação ainda continua a acontecendo? É triste ver um talento desses sendo reprimido por causa do preconceito. Vamos torcer para que esse caso infeliz não deixe marcas profundas na mente brilhante do jovem Ahmed Mohamed. Toda essa situação já está sendo investigada pelo Conselho para as Relações Americano-Islâmicas.

Cupons de desconto TecMundo: