Página do AnonymousBrasil no Facebook (Fonte da imagem: Reprodução/Facebook)

Protestos online podem ser mais impactantes que os físicos. Isso é o que afirma o analista de inteligência em ameaças na empresa de segurança RSA, Anchises Moraes. Segundo ele, em conversa com o site G1, os efeitos virtuais trazidos pelos chamados ciberativistas têm efeitos bem mais duradouros.

"No protesto físico, quebrou, conserta e tudo bem. Mas no protesto online se expõem os dados do dono do instituto (em alusão à invasão do Instituto Royal), do dono de uma escola ou do presidente de uma organização, de uma empresa, de um político... uma vez expostos, os dados estão pra sempre na internet."

Ainda de acordo com Moraes, muitas pessoas não sabem a quantidade de informações sobre si mesmas que está disponível na rede. Assim, indivíduos que muitas vezes são alvos de protestos e até mesmo terceiros ligados a essas pessoas acabam tendo dados como endereços e telefones pessoais divulgados livremente na internet.

São eventos separados?

O especialista acredita que os protestos online que vêm para acompanhar as manifestações físicas já viraram rotina e que a tendência é que eles ganhem cada vez mais força. Anchises afirma que esse é um fenômeno mundial – e que hoje em dia ambos se completam.

Ativistas durante invasão ao Instituto Royal (Fonte da imagem: Reprodução/UOL)

De acordo com ele, "quem está na rua usa as redes sociais pra divulgar o que está na rua, para fugir dos filtros da mídia, da censura, do controle da informação. Mas é comum que pessoas que não estejam participando fisicamente do protesto se aproveitem da comunicação nas redes sociais pra ajudar a divulgar, de certa forma, o protesto, porque muita gente não participa porque não quer, porque tem medo, ou porque não pode por morar em outra cidade, outro estado".

No entanto, como dito acima, a atuação online não fica somente na superação das barreiras de comunicação. Há também os "hacktivistas", pessoas responsáveis pelos atos mais radicais na rede, como a divulgação de informações e a derrubada de sites. Quanto à isso, Anchises Moraes não afirma se essas ações são legais ou ilegais, citando que trata-se de uma “fronteira dúbia”.

Segundo o especialista,“quando se está protestando, normalmente é contra uma situação dominante. Na perspectiva de uma parcela da população, você está fazendo a coisa certa, e, na de outra parcela, majoritária rigorosamente, você está agindo errado, porque está protestando contra o status quo".

Cupons de desconto TecMundo: