Não é comum encontrar mães desesperadas ou minimamente indignadas com o novo vício do filho: a internet. Você pode não levar muito a sério tais reclamações, mas mesmo sem querer, sua mãe pode estar certa. Dificilmente ela estará pensando nos mesmos motivos que são mostrados no vídeo, mas no fundo a coisa é meio parecida.

Primeiramente, não é possível dizer que a internet faz mal ou bem para as pessoas. Na verdade, depende da intensidade e da forma como a pessoa usa a ferramenta. Assim, se você já ficou “viciado” nessa maravilha do mundo moderno, a razão pode ser essa: a velocidade com que novos assuntos e ideias chamam a sua atenção na tela.

Dependência

Nosso cérebro gosta bastante de conferir coisas novas. Mas, no fim das contas, ele seleciona o que é importante para depois guardar essas informações de verdade. Ou seja, ele trabalha em duas etapas. Acontece que, por conta dessa primeira etapa ser mais prazerosa e frenética, liberando compostos químicos que satisfazem o corpo, você sempre quer involuntariamente se manter conferindo novidades e acaba sem tempo para guardar o conteúdo na segunda etapa. E essa é a especialidade da internet.

Você juntou a fome com a vontade de comer e pronto. O “vício” está instalado. Como o vídeo explica, esse constante estado de atenção faz com que você não deixe o cérebro processar o que absorveu de informação e guardá-la na memória permanente. É quase como se estivéssemos falando de uma memória RAM e um SSD. Eles fazem a mesma coisa, mas um é capaz de reter o conhecimento e o outro não.

Assim, se você não tem tempo para processar e aprender sobre as informações que absorveu, em pouco tempo não poderá mais se lembrar de coisas que talvez fossem importantes. Por isso, estudar em locais calmos e com poucas distrações é mais eficiente, por exemplo.

O vídeo é baseado no conteúdo do livro “The Shallows”, de Nicholas Carr, que mostra de forma detalhada como o desvio de atenção constante pode afetar nossos cérebros.

Cupons de desconto TecMundo: