Vídeos de 'faxina sensual' fazem milhões de views no YouTube

1 min de leitura
Imagem de: Vídeos de 'faxina sensual' fazem milhões de views no YouTube
Imagem: YouTube
Avatar do autor

O algoritmo do YouTube passa por atualizações todos os anos e, inclusive, isso causa uma mudança significativa no consumo de conteúdo dos usuários da plataforma. Recentemente, milhares de pessoas começaram a perceber um novo tipo de entretenimento sendo entregue massivamente aos consumidores: as “faxinas sensuais”.

Nos últimos meses, dezenas de canais surgiram com conteúdos em que mulheres aparecem fazendo faxina na própria casa, contudo, usando roupas curtas e decotadas — em alguns poucos trechos do vídeo, é até possível ver partes íntimas, quebrando regras da plataforma.

“Eu tenho há três anos um outro canal normal, com dicas de tecnologia. Só consegui ganhar US$ 20. No novo, em 30 dias atingi quase US$ 400, mas agora não está mais assim”, disse uma das youtubers, em reportagem do UOL.

Inclusive, o nicho tem ajudado algumas mulheres que perderam o trabalho durante a pandemia. De acordo com a reportagem, algumas delas também complementam a renda com a venda de calcinhas usadas e conteúdos adultos no OnlyFans.

Conteúdos não permitidos no YouTube

Fonte: YouTube

O YouTube trabalha para garantir um ambiente seguro para crianças e adultos, com sistema de verificação automático de vídeos e revisores humanos. Até o momento, conteúdos eróticos são proibidos no YouTube e, normalmente, são excluídos em pouco tempo.

Os vídeos de “faxina sensual” estão conseguindo burlar as permissões da plataforma de streaming, mas é possível que isso não dure muito tempo. Continuamente, o YouTube aplica novas regras em relação aos conteúdos que são alavancados na rede, então, é possível que essa popularidade diminua drasticamente.

“Como descrito em nossas políticas de nudez e conteúdo sexual, não permitimos material explícito com o objetivo de satisfação sexual. Também contamos com a colaboração dos usuários para que denunciem conteúdo que acreditem estar em desacordo”, disse a assessoria da plataforma de streaming.

Fontes