Coronavírus impulsiona compras online de farmácias e mercados

2 min de leitura
Imagem de: Coronavírus impulsiona compras online de farmácias e mercados
Imagem: https://pixabay.com/pt/photos/ecommerce-venda-on-line-2140604/
Avatar do autor

A pandemia do novo coronavírus mudou a rotina de milhões de pessoas em todo o mundo: de trabalhadores a estudantes que passaram a realizar suas atividades em casa, até aqueles que ficaram completamente sem atividade nesse momento. Em meio a essas mudanças, a necessidade do distanciamento social físico tem estimulado o crescimento das vendas online, principalmente de medicamentos e itens de supermercado.

De acordo com um relatório da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com o Movimento Compre & Confie, do dia 24 de fevereiro (pouco antes da confirmação do primeiro caso de covid-19 no país) até o dia 18 de março (uma semana após a Organização Mundial da Saúde declarar a doença como uma pandemia), houve um aumento de 111% nas compras online da categoria saúde (que inclui medicamentos e itens de farmácia), de 83% em beleza e perfumaria (incluindo itens de higiene pessoal) e de 80% nas compras de supermercado (alimentos, bebidas, higiene e limpeza). A comparação foi feita considerando praticamente o mesmo período do ano passado (de 25 de fevereiro a 20 de março).

Fonte: Pixabay/ReproduçãoFonte: Pixabay/ReproduçãoFonte:  Pixabay 

De acordo com André Dias, diretor executivo do Compre & Confie, as vendas pela internet ganharam ainda mais relevância atualmente, desde que evitar o contato físico se tornou uma necessidade, sendo que os dados do relatório foram coletados antes do decreto de quarentena entrar em vigor na cidade de São Paulo.

Comércio eletrônico deve crescer 21% no Brasil, em 2020

Falando de valores, até o momento, as vendas online já somaram R$ 56 bilhões em 2020, um crescimento de 28,8% em relação ao mesmo período de 2019. O número de pedidos subiu 31,6%, passando para 13,16 milhões. No entanto, o tíquete-médio caiu 2,2%, indo para R$ 425,30. Isso ocorreu porque houve uma queda nas vendas de produtos mais caros, enquanto a procura por produtos mais básicos aumentou.

Segundo Dias, uma rede de farmácias retirou suas promoções do ar porque o estoque acabou e empresa não conseguiria de realizar todas as entregas, já que viu suas vendas aumentarem 170% nesse período.

De 2018 para 2019, o comércio eletrônico cresceu 22,7% no Brasil, chegando a movimentar R$ 75,1 bilhões. De 2019 para 2020, há uma previsão da Compre & Confie, de que o aumento seja de 21%, subindo para R$ 90,7 bilhões movimentados. Essa previsão, no entanto, poderá mudar de acordo com os impactos econômicos causados pela crise da covid-19.

O site Consulta Remédios, maior portal de medicamentos do Brasil, sentiu esse aumento nas vendas online. Com 25 milhões de visitas mensais, teve um aumento de 58% nos pedidos do marketplace no mês de maio em relação a abril, junho caminha para o mesmo cenário. Além disso, outro índice notório foi o aumento de farmácias cadastradas no marketplace do Consulta Remédios. São cerca de 3 novas farmácias por dia útil desde o mês de maio, a maioria busca outro canal de vendas para aumentar seu faturamento no cenário atual e, principalmente, digitalizar-se através da venda dos produtos da sua loja sem precisar ter um site.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Coronavírus impulsiona compras online de farmácias e mercados