Assinar o DAZN vale a pena? Testamos o novo streaming de esportes

5 min de leitura
Imagem de: Assinar o DAZN vale a pena? Testamos o novo streaming de esportes
Avatar do autor

Com a melhora na qualidade de conexão à internet, os últimos anos ficaram marcados pelo avanço dos serviços de streaming no Brasil. Eles chegaram como uma opção para quem não quer assinar um pacote completo de TV a cabo, mas deseja ter acesso a mais conteúdo que o ofertado pelos canais abertos.

Na área de séries e filmes, as principais disputas do mercado ficaram entre concorrentes de peso internacionais, como Netflix e Amazon Prime Video. Mas até mesmo empresas mais tradicionais da televisão, como Globo, HBO e Fox, não demoraram a ver o potencial do negócio e começaram a ofertar conteúdo seguindo o modelo de assinaturas mensais avulsas.

Vale a pena assinar o DAZN? Testamos o serviço para tirar essa dúvida

A coisa muda um pouco de figura quando falamos em transmissões de esportes por streaming. Nesses casos, a produção de conteúdo original deixa de ser uma opção e as brigas por compras de direitos autorais são bem mais complicadas. No Brasil, a concorrência para transmitir torneios nacionais cresceu nas últimas temporadas, mas a Globo ainda mantém o controle quase total de competições com as Séries A e B do Brasileirão e a Copa do Brasil.

É nesse contexto que a plataforma britânica DAZN (pronuncia-se ‘dazôn’) chegou ao país. O serviço de streaming já está estabelecido em grandes mercados como Estados Unidos, Alemanha, Itália e Japão. Mas vale a pena assinar o DAZN? O TecMundo testou o serviço durante as últimas semanas para responder esta questão.

DAZN

Interface, aplicativo e transmissão

As primeiras impressões do serviço são positivas. A interface do DAZN, tanto na web como no aplicativo para celular, é simples e organizada. Logo de cara, é possível ver quais eventos estão sendo transmitidos ao vivo e quais partidas acontecerão ao longo da semana. Nos momentos em que não há jogos ao vivo, o serviço mostra as partidas mais recentes e dá opções para rever a transmissão completa ou assistir apenas aos melhores momentos do jogo.

Além dessa aba inicial, há uma tela com a programação completa dos próximos dias e uma terceira guia que organiza os eventos por esporte. Você pode ativar as notificações para ser avisado sempre que um jogo do seu time (ou de algum campeonato específico) estiver para começar.

Um fator essencial para esse tipo de serviço dar certo é a facilidade com que os usuários podem fazer o streaming na televisão da sala. O DAZN cobre bem todas as principais opções, com suporte a Android, iOS, Amazon Fire TV, Amazon Fire TV Stick, Apple TV, ChromecastAndroid TV e Smart TVs da LG e da Samsung (com promessa de uma versão para TVs da Panasonic em breve). Nos consoles, ele também pode ser acessado tanto no PlayStation 4 como no Xbox One.

DAZN

Durante os testes, eu assisti a jogos no smartphone Android, na web e fazendo streaming para o Chromecast. Em nenhum momento a qualidade de vídeo e áudio foi um problema, mesmo durante partidas que supostamente tiveram mais audiência, como a final da Recopa Sul-Americana entre Athletico Paranaense e River Plate. O site do DAZN recomenda uma velocidade de download de 8 Mbps para obter a qualidade máxima de vídeo e melhores taxas de quadros.

Um dos pontos mais fracos do DAZN, pelo menos durante esse período de testes, é o baixo número de profissionais que cobrem as partidas. Não há repórteres de campo na maioria dos jogos e toda a cobertura fica a cargo da dupla formada por narrador e comentarista. Em alguns torneios que claramente não são a prioridade para o público brasileiro, como é o caso do Campeonato Japonês, o narrador faz sozinho o papel de uma equipe completa.

Em geral, os profissionais optam por uma narração mais sóbria, que deve agradar quem não é fã do estilo encontrado no Esporte Interativo.

O que eu posso assistir no DAZN?

Mas por melhor que seja a qualidade da transmissão e a interface do aplicativo, um serviço de streaming de esportes depende bastante das licenças adquiridas para decolar no país. Até o momento, os grandes destaques da plataforma são os campeonatos Francês e Italiano, além da Copa Sul-Americana e da Série C do Brasileirão. Estes dois últimos são exclusivos do DAZN no Brasil.

Destaques são os campeonatos Francês e Italiano, Copa Sul-Americana e Série C do Brasileirão.

Para quem curte o futebol inglês, as únicas opções são a Copa e a Supercopa da Inglaterra. Outros torneios menos populares por aqui, como a Major League Soccer e o Campeonato Japonês, fecham a lista. Ainda é pouco, principalmente quando consideramos que o futebol sempre será o foco desse tipo de serviço no país.

Os outros esportes transmitidos pelo DAZN no Brasil parecem ser apenas uma lista contendo as sobras de direitos comprados para o mercado norte-americano e que puderam ser aproveitados em outros países. Afinal, modalidades como boliche, sinuca, bilhar, dardos, pesca e tênis de mesa estão longe de serem populares por aqui.

Quem tem mais chance de atrair novos assinantes são as transmissões de automobilismo (como Fórmula 2 e IndyCar Series), alguns torneios de MMA e competições de tênis (atualmente, a plataforma conta com o WTA Tour e o ATP Tour 250).

Vale a pena?

O DAZN chega com potencial para concorrer com as emissoras tradicionais e serviços de streaming como o EI Plus. No entanto, a variedade baixíssima de torneios transmitidos e o alto valor cobrado (a mensalidade sai por R$ 37,90) certamente vão afastar muitos assinantes em potencial. E com razão, pois não há nada que justifique esse preço.

A situação fica ainda mais complicada quando lembramos que a plataforma dificilmente terá poder de fogo para disputar os direitos das duas principais divisões do Brasileirão. Uma possibilidade pode ser apostar em torneios regionais bem-sucedidos, como a Copa do Nordeste, e continuar investindo na Série C, que também tem clubes com muita torcida, como Santa Cruz, Náutico, Remo e Paysandu. Mas continuará sendo pouco pelo valor cobrado.

Para efeito de comparação, a versão alemã do serviço transmite torneios como Liga dos Campeões, Copa da UEFA, amistosos de seleções e os campeonatos nacionais de Espanha, Bélgica, Holanda e Portugal, entre outros. Enquanto não tem nada disso, o DAZN brasileiro fica em uma posição estranha, custando mais que concorrentes como o EI Plus (R$ 13,90 com direito a Brasileirão e Liga dos Campeões) e ainda longe de produtos premium como o Premiere (R$ 79,90 ao mês).

No momento, a principal vantagem é que você pode testar o serviço gratuitamente por 1 mês. Mesmo que não tenha interesse nos torneios e esportes transmitidos, vale a pena usar a plataforma por algumas semanas e ter uma ideia de como deve ser o futuro das transmissões de esportes, por mais que este ainda pareça um futuro distante.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Assinar o DAZN vale a pena? Testamos o novo streaming de esportes