Desde que nasceu em uma casa em São Francisco, em 2007, o Airbnb se tornou referência em hospedagem e uma das mais bem-sucedidas plataformas no setor. A companhia comemora neste ano 500 milhões de check-ins em imóveis espalhados em 191 países e 81 mil cidades em todo o mundo.

Segundo o Airbnb um dos motivos da grande adesão é o fato do app combinar informações sobre onde as pessoas querem ficar, o que elas querem fazer e como elas chegam até o local. Os dados mostram que o serviço recebe em todas as noites uma média de 157 mil chegadas de hóspedes na América Latina.

São 6 milhões de casas, yurts (tendas), casas na árvore, barcos e outras acomodações. A renda extra gerada pela locação por temporada gira em torno de US$ 65 bilhões aos anfitriões, desde o início do serviço.

Casas incomuns

Uma das particularidades do Airbnb é a oferta de acomodações bem diferentes dos padrões de hospedagem. Segundo a plataforma, são mais de 14 mil mini casas e  4 mil castelos, além de 2,4 mil casas em árvores. O quarto privativo mais reservado da história do aplicativo é em um castelo na Irlanda com mais de 600 anos, que o anfitrião Peter passou mais de uma década restaurando.

airbnbFonte: Glamping

Outro dado interessante a diversidade de anfitriões. Hoje, mais de metade são mulheres e mais de 1 milhão de pessoas que abrem as portas de suas casas têm mais de 50 anos, sendo 400 mil deles com mais de 60 anos. As outras faixas também são bem frequentes: aproximadamente 70% das reservas realizadas nos últimos três anos foram feitas por hóspedes com menos de 40 anos e, anualmente, os millennials gastaram mais de US$ 31 bilhões em reservas de viagens no Airbnb.