Antes líder absoluta do mercado de navegadores com o Internet Explorer, a Microsoft perdeu essa posição para o Google durante a última década e não parou de cair desde então. Essa tendência deve continuar, de acordo com os números de setembro da Net Applications, que mostram os navegadores para desktop da companhia atingindo uma baixa histórica na taxa de uso.

Segundo a pesquisa, Internet Explorer e Microsoft Edge somados têm 14% dos usuários, uma queda de 1% em relação ao mês anterior, atingindo o número mais baixo da empresa neste século. Enquanto isso, o Google Chrome mantém a dianteira com 66% do mercado, tendo crescido um ponto percentual no mesmo período e 6% desde o início do ano, mostrando que o navegador ainda encontra espaço para converter novos usuários.

Uma análise dos dados mostra que o Chrome simplesmente não tem competidor a altura neste momento. Apesar de ter passado por uma série de reformulações no último ano, o Mozilla Firefox segue em queda e agora tem apenas 9,8% dos usuários. Enquanto isso, o Safari permanece na faixa dos 3%, mostrando que o fato de rodar apenas em computadores da Apple será sempre um limitador no seu alcance.

É uma situação nada agradável para a Microsoft, que lançou o Edge como uma demonstração de que poderia revitalizar a imagem negativa deixada pelos anos de estagnação do Internet Explorer. Você pode conhecer mais sobre essa história assistindo ao episódio da série A História da Tecnologia que fala sobre a guerra dos navegadores.