O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou o seu perfil oficial no Twitter para criticar o buscador da Google e a forma com que ela disponibiliza notícias nos resultados das pesquisas.

Segundo ele, a empresa está manipulando a ordem das páginas para aumentar a visibilidade das notícias negativas e críticas relacionadas a ele ao seu governo, deixando publicações favoráveis escondidas.

"Resultados de busca da Google por 'Trump News' mostram somente ponto de vista e relatos da mídia de fake news. Em outras palavras, eles MANIPULARAM, para mim e outras pessoas, para que todas as histórias e notícias sejam RUINS. A falsa da CNN é proeminente. A mídia justa, republicana e conservadora está de fora. Ilegal?", escreveu no primeiro post.

Na segunda publicação, ele foi além: segundo Trump, 96% dos resultados obtidos são da mídia considerada de esquerda — e ele promete fazer alguma coisa para mudar isso.

"96% dos resultados em 'Trump News' são da mídia de centro-esquerda nacional, é muito perigoso. Google e outros estão suprimindo as vozes dos conservadores e escondendo informações e notícias que são boas. Eles estão controlando o que podemos e não podemos ver. Isso é uma situação bastante séria — e será abordada!", diz o presidente.

Não há qualquer menção de Trump a que metodologia foi utilizada para obter os tais 96%. Além disso, ele também não especificou que tipo de medida tomará ou se vai entrar em contato diretamente com a Google.

Em um comunicado oficial, a Google respondeu explicando que seu algoritmo de buscas não tem qualquer tipo de filtro político.

"Quando os usuários digitam consultas na barra de busca do Google, nosso objetivo é garantir que eles recebam as respostas mais relevantes em questão de segundos. A Busca não é usada para definir uma agenda política e não ajustamos nossos resultados para qualquer ideologia política. Todos os anos, publicamos centenas de melhorias em nossos algoritmos para garantir que exibam conteúdo de alta qualidade em resposta às consultas dos usuários. Trabalhamos continuamente para melhorar a Busca do Google e nunca classificamos os resultados da busca para manipular o sentimento político".

***

ATUALIZAÇÃO: esta notícia foi atualizada às 14h01 desta terça-feira (28) para incluir o comunicado oficial da Google.