O Telegram, rival do WhatsApp, é um dos mais populares comunicadores instantâneos do mundo, com uma base de mais de 200 milhões de usuários ativos. A desenvolvedora russa situada na Alemanha, dos irmãos Nikolai e Pavel Durov, anunciou nesta quinta-feira (26) uma nova ferramenta, chamada de Telegram Passport. A novidade serve para reunir documentos reais e facilitar a validação em serviços que exijam comprovação mais complexa.

A ideia da companhia é reunir todas as suas principais informações — como registro geral, CPF, endereço, telefone, email, etc — para autenticação de compras e de sua identidade, entre outras ações. Para isso, é preciso enviar uma cópia das certidões originais no próprio app. A proposta é boa e oferece mais comodidade para tarefas cotidianas, mas esbarra em duas questões bastante delicadas quando se fala em compartilhamento de dados sensíveis: privacidade e segurança.

O Telegram tem uma boa reputação, pois os irmãos Durov pregam que o mais importante é garantir a proteção das credenciais e mensagens dos usuários em sua nuvem encriptada de ponta a ponta. Eles afirmam que nem mesmo seus funcionários podem obter as chaves para consultar essas informações e em recente caso o utilitário foi banido da Rússia justamente por se recusar a entregar ao governo o acesso aos perfis de supostos bandidos e terroristas que vinham utilizando a plataforma.

Telegram Passport

Ainda assim, qualquer pessoa fica com a pulga atrás da orelha ao cadastrar em um mensageiro o número da conta bancária, da carteira de habilitação ou do passaporte e outros dados sensíveis. Por enquanto, há somente uma integração pareada com o Telegram Passport, o sistema de pagamentos digitais ePayments. A ferramenta está disponível na versão 4.9 do aplicativo e pode ser testada via site.