Tim Berners-Lee é o criador de uma das principais plataformas de comunicação e compartilhamento de conhecimento da história, a World Wide Web. Aos 63 anos de idade, porém, o físico e cientista da computação britânico não está feliz com os rumos da sua criação, oferecida ao mundo como um conceito aberto a partir do início dos anos 90.

E os eventos da influência russa nas eleições dos Estados Unidos em 2016 e também o escândalo envolvendo Cambrige Analytica e Facebook parecem ter reforçado no “pai da web” as reticências com o atual momento de sua criação.

“Demostramos que a Web falhou em vez de servir a humanidade, como deveria ter feito, e falhou em diversos lugares”, revelou Bernerns-Lee em entrevista a Katrina Brooker, da Vanity Fair. “[A Web centralizada] acabou pro produzir — sem qualquer ação deliberada das pessoas que desenvolveram a plataforma — um fenômeno emergente de larga escala que é anti-humano.”

Retomando o poder

Diante desse cenário, a ideia do idealizador da rede mundial de computadores é até simples: voltar a descentralizar a Web. Para isso, ele e um grupo de desenvolvedores trabalha em torno de uma plataforma chamada Solid, que pretende retirar o controle da rede das corporações e devolvê-lo aos indivíduos.

“Há pessoas trabalhando no laboratório tentando imaginar como a Web poderia ser diferente. Como a sociedade na Web poderia parecer diferente. O que aconteceria se déssemos às pessoas a privacidade e o controle de seus dados”, explicou o cientista britânico. “Estamos construindo todo um ecossistema”.

Na prática, a Solid visa deixar os usuários no controle de todo o conteúdo e informação que produzem, sempre cabendo a eles determinarem o destino desses dados, tirando essa decisão de corporações que atuam na web como GoogleTwitter ou Facebook. A novidade é, assim como a Web idealizada por Berners-Lee, uma plataforma aberta na qual qualquer desenvolvedor pode trabalhar.

O trabalho, porém, ainda está no começo e há muito o que percorrer até que a Solid possa ser uma alternativa viável para quem busca o controle de seus próprios dados e uma Web descentralizada. O sucesso da primeira empreitada de Berners-Lee, porém, o credencia como um importante agente para devolver a web aos seus usuários.