Sempre que você faz uma instalação limpa do Windows 10 ou quando compra um computador novo, o sistema mostra uma tela inicial do Microsoft Edge, o navegador padrão a empresa. Nessa página, a companhia muitas vezes anuncia que seu browser é 22% mais rápido que o Chrome e 16% mais rápido que o Firefox. Percebendo que isso não batia muito bem com o que os usuários costumam relatar na internet, o pessoal do TekRevue resolveu colocar essa afirmação da Microsoft à prova.

Eles descobriram então que os dados estão corretos, mas apenas para um teste de navegação específico, chamado JetStream 1.1, que analisa apenas a performance de um navegador em ambientes JavaScript. Esse teste é o mesmo desde 2015.

EdgeEsta é uma das páginas de boas-vindas do Edge, quando você o inicia pela primeira vez.

Para fazer uma análise mais realista, o pessoal do TekRevue resolveu testar o Edge, o Chrome, o Firefox e o Opera no Speedometer 2.0, criado em janeiro deste ano. Em vez de focar em JavaScript, esse teste avalia uma série de métricas alcançadas pelos navegadores em vários tipos de páginas, incluindo aquelas altamente interativas, que têm crescido em quantidade na web atual. O Speedometer 2.0 afirma que seu teste é mais parecido com o que seria o uso real da média dos internautas.

Nesse teste, o Edge se saiu mal. Ele ficou atrás de todos os seus concorrentes, especialmente na comparação com o Chrome e com o Opera. Confira o gráfico.

Speedometer 2.0Quanto maior a pontuação, mais rápido é o navegador de acordo com os critérios do Speedometer 2.0

Naturalmente, este outro teste pode não representar a experiência pessoal de todo mundo com esses navegadores web, mas a diferença de desempenho mostrada aqui realmente não pode ser ignorada. De qualquer forma, o Chrome pode ter os melhores resultados pelo simples fato de a Google essencialmente ditar os padrões que a web tem que seguir atualmente, tamanha a popularidade de seu browser. Assim, todas as tecnologias mais populares são sempre compatíveis com o Chrome, e nem sempre com seus concorrentes, o que lhe dá uma vantagem competitiva em testes como o Speedometer 2.0.

Speedometer 2.0Mesmo teste, porém em uma máquina intermediária

Em questão de estabilidade e consumo de memória, contudo, o Firefox certamente agrada mais a seus usuários, enquanto o forte do Edge mesmo é a sua eficiência energética. O browser da Microsoft sempre vence comparações de consumo de bateria em notebooks, e isso não deve mudar tão cedo.