De acordo Sebastián Cabello diretor da GSMA para a América Latina — organização que padroniza as telecomunicações móveis no mundo —, a internet móvel de quinta geração, ou 5G, só chega de verdade ao Brasil em 2025. As informações são do Mobizoo na MWC 2018.

Ele explica, contudo, que o início da implantação da tecnologia já deve começar a acontecer em 2020, mas, só em 2023 é que o grande público começará a aproveitar o novo padrão. Em 2025, portanto, o 5G estará minimamente disseminado pelo Brasil e pelo resto da América Latina, alcançado cerca de 45% da população da região.

Antes de 2025, o 5G estará mais no marketing das operadoras do que de fato nos smartphones dos usuários

Isso quer dizer que, antes de 2025, o 5G estará mais no marketing das operadoras do que de fato nos smartphones dos usuários, assim como era o 4G até cerca de dois ou três anos atrás. Felizmente, entretanto, o Brasil já tem um ambiente mais propício para a adoção do 5G do que o restante da América Latina, sendo que o país está em processo de desligamento da TV analógica a fim de liberar espectro eletromagnético para comunicação via telefonia móvel.

Isso coloca o Brasil a frente dos demais países da região, mas não é possível prever com certeza se isso se tornará uma vantagem útil nos próximos anos, uma vez que os padrões de comunicação do 5G ainda não foram 100% definidos, tampouco as frequências em que a tecnologia vai operar. Assim, o que se tem no Brasil é um potencial para uma implementação mais rápida, o que não garante que isso ocorra de fato.

5g brasil

Seja como for, o 5G, em um primeiro momento, não deve ser uma tecnologia voltada diretamente para o consumidor final, segundo Cabello. Ele explica que o foco inicial deve ser a prestação de serviço por parte das operadoras para outras empresas, criando um ambiente fértil para a popularização da internet das coisas. Depois disso é que o consumidor poderá começar a aproveitar as velocidades do 5G para navegar na web.

Infelizmente, ainda não temos informações oficiais sobre possíveis planos de nenhuma operadora brasileira na implantação do 5G. Contudo, é de se imaginar que pelo menos as três maiores (VivoTim e Claro) entrem em alguma espécie de corrida pelo 5G a partir de 2020.