Verizon anunciou que a sua primeira rede 5G estará disponível comercialmente para moradores de Sacramento, na Califórnia, já em 2018  mais precisamente no segundo semestre do ano. A conexão promete ser de 30 a 50 vezes mais rápida que o 4G disponível atualmente, de acordo com informações do Mashable.

Parece ótimo, não? Acontece que há um pequeno detalhe: ela só poderá ser usada dentro de casa mesmo. Ou seja, será preciso mais alguns bons anos para que os benefícios prometidos pelo 5G possam ser desfrutados também por dispositivos móveis.

A cidade californiana é uma das primeiras a receber a rede 5G para residências da empresa  a tecnologia já estava em testes na região. Outras quatro cidades do mercado norte-americano devem ser anunciadas em breve.

De acordo com a companhia, a nova tecnologia é alimentada por espectro de onda milimétrica  basicamente, ela funcionará por meio de sinais de rádio, e não via cabo de fibra ou de cobre, o que garantiria mais rapidez no acesso à internet, “largura de banda e menor latência suficientes para aplicativos 3D e de realidade virtual”, afirma em comunicado à imprensa.

'Este é um anúncio histórico para clientes e investidores que esperaram que o futuro 5G se tornasse uma realidade', afirma Hans Vestberg, presidente de Redes Globais e CTO da Verizon

Competição acirrada

A Verizon começou os testes com a sua rede 5G no começo deste ano, e pode-se considerar até um pouco cedo para ela já estar divulgando algumas poucas informações sobre o seu lançamento. Mas não é à toa: acontece que a empresa tem uma forte concorrente no ramo, a AT&T, e não quer ficar para trás. A AT&T, por sinal, também anunciou a implantação do seu 5G para o segundo semestre de 2018  em escala nacional.

Apesar de todos estarmos ansiosos pelo acesso a velocidades mais rápidas via smartphone, o grande "quê" por trás da viabilização da tecnologia pode ser sua aplicação para a Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês). Na teoria, com o 5G tudo poderá funcionar em perfeita ordem, do seu smartphone e tablet à sua geladeira e outros eletroeletrônicos conectados. Mas, cá entre nós, isso ainda está um pouco mais distante de acontecer  ao menos por enquanto.