Samsung — em parceria com uma operadora de telecomunicações japonesa chamada KDDI — fez a primeira demonstração do 5G no mundo dentro de um trem se movendo a mais de 100 km\h. Segundo a empresa, a maior velocidade de transferência alcançada foi 1,7 Gbps, o equivalente a cerca de 1.700 Mbps.

O teste foi realizado com tecnologia ainda não finalizada ou padronizada, usando equipamentos de transmissão da própria Samsung. Por isso, a empresa não revelou detalhes técnicos sobre o funcionamento dessa novidade.

Essa experiência da Samsung foi realizada na cidade de Saitama, próxima a Tóquio, no Japão. O trem percorreu um trajeto de 1,5 km, entre duas estações, a 100 km\h. Nesse curto percurso, os equipamentos conseguiram baixar um filme em 8K e enviar outro em 4K. Infelizmente, a companhia não revelou quanto tempo levou para finalizar essas transmissões nem especificou o tamanho dos arquivos.

samsung 5g

De qualquer forma, essa demonstração pode ser considerada impressionante pelo fato de ter conseguido manter uma velocidade de transmissão muito alta a uma grande velocidade e com alternância de torres de comunicação.

O potencial do 5G é grande o suficiente para modificar a paisagem das nossas vidas cotidianas

“O potencial do 5G é grande o suficiente para modificar a paisagem das nossas vidas cotidianas”, disse Youngky Kim, chefe da divisão de redes da Samsung. “O sucesso da demonstração de hoje é um resultado de uma pesquisa conjunta com a KDDI, a qual continuaremos desenvolvendo enquanto exploramos possibilidades de uso das redes da próxima geração. Isso vai incluir pesquisa em espectros e tecnologias diversas, assim como em novos modelos de negócios e aplicações”, concluiu.

Espera-se que a padronização global do 5G ocorra a partir de 2020, abrindo caminho, portanto, para que as operadoras no mundo todo comecem a testar e implantar as primeiras redes comerciais nos anos seguintes. Ainda não existe uma previsão de quando o 5G pode chegar ao Brasil, mas é interessante notar que a disseminação em território nacional deve acontecer durante a próxima década, caso um leilão de frequências aconteça logo que a padronização estiver pronta.