Governo não vai exigir cota de conteúdo nacional em serviços de streaming

1 min de leitura
Imagem de: Governo não vai exigir cota de conteúdo nacional em serviços de streaming
Avatar do autor

O Ministério da Cultura decidiu nesta segunda-feira (4) a não exigir cota de conteúdo nacional em serviços de streaming. A medida existe desde 2011 para canais de televisão por assinatura e não será replicada em plataformas como HBO Go, Amazon Prime e Netflix. A retirada da proposta foi feita ao Conselho do ministério pelo líder da pasta, Sérgio Sá Leitão, e se estende também a serviços como Globo Play e Net Now.

A exigência da cota foi proposta pela Agência Nacional de Cinema (Ancine) há três meses, informa a Folha de S.Paulo. Contudo, graças à decisão do ministro da cultura, o grupo de trabalho formado ontem e que vai se dedicar pelos próximos 45 dias a elaborar uma minuta de projeto de lei ou de medida provisória não vai incluir a cota em seu texto final.

Em vez de exigir conteúdo nacional, o governo vai focar os seus esforços na cobrança de impostos de serviços de vídeo sob demanda. A cobrança da Condecine, taxa cobrada de empresas por obras audiovisuais, ganhará prioridade na elaboração da minuta. A ideia aqui é incluir de forma expressa essa “nova” categoria de criação e distribuição de conteúdos.

Ainda de acordo com a publicação, a ideia é de que o texto chegue ao Palácio do Planalto até o final de novembro deste ano e seja aprovado de forma definitiva até o final de 2018, quando se encerra o mandato de Michel Temer.

Ao gosto do mercado

De acordo com o ministro da cultura, a ausência da cota para os serviços de streaming visa não desestimular o crescimento de um mercado relativamente novo. Para o futuro, porém, ele indica que a ideia pode ser revista.

“A Ancine havia lá atrás colocado uma proposta de marco regulatório que tinha essa questão de cotas de conteúdo nacional e tal. O conselho já havia até iniciado a discussão, mas eu acho que foi ficando claro para todo mundo que havia sido uma precipitação”, aponta Leitão. “É provável que o segmento cresça bastante nos próximos anos, até atingir um ponto de maturidade, quando será possível fazer um marco regulatório mais realista”, finaliza.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Governo não vai exigir cota de conteúdo nacional em serviços de streaming