A fabricação de carros por meio de impressoras 3D já não é novidade – o primeiro veículo fabricado a partir desta técnica data de 2010 (veja mais aqui). Fato é que este processo de automação está sendo aprimorado, o que deverá fazer com que os métodos tradicionais utilizados por montadoras mundo afora sejam, no mínimo, reformulados.

Apresentado durante o International Manufacturing Tecnology Show, feira realizada em Chicago (EUA), o carro de nome Strati teve sua carcaça impressa pela BAAM Machine, impressora 3D capaz de depositar cerca de 20 kg por hora durante a confecção de um molde em três dimensões.

Em torno de 44 horas foram consumidas pelo aparelho responsável por produzir as partes sólidas do veículo, todas construídas com fibras de carbono reforçado. Importante mencionar, porém, que componentes móveis e, ao menos até o momento, não passíveis de impressão, foram inseridos por etapa posterior de fabricação (tais como sistema elétrico e motor).

O futuro da fabricação de veículos?

Peças como motor, bateria, fiação, bancos, suspensão, rodas, pneus, volante, janelas e faróis não podem ser impressas. Ainda assim, a confecção de partes sólidas e imóveis por meio das técnicas de impressão 3D pode fazer com que o segmento automotivo desbrave novos horizontes. Acontece que seria possível personalizar cada veículo, levando em conta as preferências estéticas de cada motorista.

Fibras de carbono reforçado usadas na fabricação de carros por meio de impressão em 3D.

O Strati foi fabricado em cerca de dois dias – deve-se considerar, porém, o tamanho do veículo (o carro conta com apenas dois lugares e é, assim, menor do que os veículos de pequeno porte tradicionais). Apesar de consumir tempo considerável para sua produção, o automotor de quatro rodas não exige a presença de muitos elementos em sua cadeia produtiva.

Seria suficiente preencher os enormes galpões de produção de carros com cabines um pouco maiores que os carros que seriam impressos. O complexo de River Roge da Ford, por exemplo, possui cerca de 5 milhões de metros quadrados – espaço que pode abrigar centenas de impressoras 3D e produzir, desta forma, milhares de carros por meio da nova técnica.

Importante lembrar que várias das técnicas de fabricação de veículos foram primeiramente apresentadas durante feiras de tecnologia por empresas dedicadas a pesquisas acerca de métodos emergentes – a impressão do próprio Strati levou em conta demonstrações pioneiras feitas pelo Departamento de Energia (DOE) norte-americano. Seria este o futuro da produção em larga escala de veículos?

Cupons de desconto TecMundo: