Recentemente, um vídeo postado no Facebook acabou viralizando e teve milhares de compartilhamentos. Nele, os poucos minutos de imagens mostram um homem entregando uma prótese ortopédica nas cores amarelo e vermelho para uma criança. A atitude acabou levando centenas de espectadores às lágrimas e mostrou que a tecnologia ainda é um ponto revolucionário na vida de muitas pessoas.

Engenheiro mecatrônico formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo, o homem no vídeo se chama Thiago Jucá, 26 anos. A criança, Vanclever, mais conhecido agora pelo apelido "Pepi", tem apenas 11 anos de idade. A ação foi concebida graças ao trabalho de duas empresas tocadas por Jucá: a Treko 3D e a Protesis.

O TecMundo entrou em contato com Jucá e teve um bate-papo na terça-feira passada (22), para saber a atuação de ambas as empresas e entender um pouco mais a história por trás do vídeo que acabou viralizando na internet. Thiago Jucá nos recebeu na sede da Treko e da Protesis, um local que podemos — com orgulho — até chamar de oficina.

Durante a reportagem, você vai ver fotos do trabalho da Treko 3D e da Protesis, além de acompanhar o famoso vídeo e entender como funciona uma impressora 3D. Após uma semana complicada no final deste mês de novembro, finalmente temos algo para abrir um sorriso.

O garoto Pepi e sua prótese 3D

O nascimento

TecMundo: Há quanto tempo você está tocando a Treko e como ela nasceu?

Thiago Jucá: "A Treko começou em 2015. Eu estava na faculdade ainda quando comecei a mexer com uma impressora 3D chinesa que me deu muita dor de cabeça. Precisei desmontar e montar várias vezes para deixá-la adequada. Eu comprei essa impressora exatamente para entender como ela funcionava, mas, como paguei caro por ela, precisava que ela 'se pagasse'.

Então, eu criei o que seria a Treko 3D, que fazia pequenos serviços de impressão 3D. Comecei a vender trabalhos para professores, colegas e até chegar em empresas maiores. A partir desse ponto, passei a analisar o que acontece nesse mundo e vi que tinha muita gente fazendo a mesma coisa. Então eu tentei ir além: consegui oferecer mais do que apenas a impressão, passei a desenvolver o produto. Foi nesse ponto que a Treko amadureceu e eu comecei a trabalhar como desenvolvedor de produtos — já realizamos até trabalhos em IoT, conexão com celular, produtos impressos que 'conversam' com aplicativos etc.

É a 'sina' do engenheiro que em algum momento da vida já brincou de LEGO

Agora, estamos estabelecendo um método de negócio em que a Treko vai seguir um passo similar ao Uber, no qual clientes podem encontrar fornecedores de maneira mais fácil. Porém, detalhes serão divulgados em breve."

TecMundo: Como funciona a encomenda de um trabalho para a Treko?

Jucá: "A pessoa precisa de um projeto. Algumas vezes, ela chega sem qualquer projeto. A impressão 3D é um caminho para fazer uma reprodução de matéria física com rapidez; é necessário uma prototipagem."

TecMundo: Você sempre quis trabalhar com impressão 3D?

Jucá: "Eu sempre fui uma pessoa que gosta de fazer coisas, fabricar coisas. Adorava mexer com marcenaria, montar, desmontar. É aquela 'sina' do engenheiro que em algum momento da vida já brincou de LEGO."

Modelo de prótese

O funcionamento

A impressora 3D, apesar de existir há um bom tempo, ainda é desconhecida por grande parte do público. Então, o engenheiro teve uma boa resposta para explicar de maneira fácil o que ela é:

"A impressão 3D é uma ferramenta que permite você fazer coisas complexas com facilidade. Coisas com um alto grau de complexidade, de maneira mais fácil e menos custosa. E eu fiquei apaixonado pela impressão 3D por isso", explicou Jucá ao TecMundo. "Ela te dá agilidade e permite que você fabrique coisas que são impossíveis de outra maneira. No futuro, acredito que todo mundo vai ter uma impressora 3D — se não em casa, pelo menos vai ter acesso fácil."

TecMundo: Hoje, o problema da impressora 3D é o preço?

Thiago Jucá: "Não tanto, já está bem interessante. Você consegue comprar impressoras boas e nacionais por cerca de R$ 3,5 mil. Já é um preço interessante, tem gente que paga mais em um iPhone."

TecMundo: Essa impressora que você tem na sua oficina trabalha com quais materiais?

Jucá: "Ela trabalha com filamentos (de FFF, de FDM, depósito de material fundido). Basicamente, ela derrete um filamento e o deposita, trabalhando com plásticos, compósitos etc. São vários materiais que podemos trabalhar, como derivados de milho, o 'plástico de LEGO', nylon, nylon plus, patch; existe filamento elástico feito de borracha, com fibra de madeira etc. Há impressoras que também trabalham com pó de metal, laser e 'N' materiais diferentes — e ainda não existem versões 'caseiras' delas, apenas industriais."

O que está faltando são soluções mais simples para a população

TecMundo: Hoje a Treko 3D faz peças customizadas, brindes... O que mais?

Jucá: "Já trabalhei com empreendedores que buscam lançar um produto no mercado. Então, eu faço muita validação: o desenvolvimento de projeto, o protótipo e o produto. Já atuei em projetos que contam com eletrônica embarcada, conectividade com smartphones, já montei drones para clientes (completo, com eletrônica) e automação residencial. Eu verifico a necessidade e ofereço até um próprio feedback sobre a ideia."

TecMundo: Pensando sobre as aplicações diárias da impressora 3D. Em um mundo com a impressora de fácil acesso, é possível utilizar a máquina para substituir, por exemplo, peças quebradas do próprio carro?

Jucá: "Logo mais, mas eu acho que o grande poder da impressão 3D vai estar, talvez, nas utilidades. Vou dar um exemplo: eu tinha um Renault Duster e o botãozinho da marcha quebrou e sumiu. Facilmente eu consegui projetar e criar uma solução. Se uma fabricante oferecer disponibilizar os projetos 3D de peças, o usuário poderá entrar no site e baixar o projeto para depois fabricá-lo por conta própria — como baixar drivers para notebook em um site da HP, por exemplo. Também é possível criar acessórios, como um apoio melhor para segurar a ventoinha, uma trava para porta, um 'clipezinho' que segura latas dentro de geladeira, um case diferenciado para celular, armação de óculos etc."

TecMundo: O que falta no mercado de impressão 3D?

Jucá: "O que está faltando são soluções mais simples, já que, atualmente, as impressoras 3D exigem um conhecimento técnico relativamente alto. Faltam máquinas que possam oferecer soluções mais simplificadas. Por exemplo, eu preciso estudar e verificar pontos de fusão de plástico, realizar medições de temperatura, realizar corpo de provas — certas vezes, a especificação do fabricante não é a mesma que faz a máquina funcionar. É uma linha de aprendizagem íngreme, inicialmente, e exige dedicação. O que está dificultando nem é o preço, mas a facilidade de uso. É preciso aprender a operar a impressora. Cada máquina tem a sua singularidade."

Quem quer fazer o mal vai fazer o mal

TecMundo: Vamos para um lado contrário da sua linha de trabalho. O que você pensa sobre armas desenvolvidas em impressoras 3D?

Jucá: "Se você pegar um tubo de aço, botar uma pólvora, pronto: é uma arma. Às vezes, o que acho é que é mais demorado fazer por meio convencional do que impressão 3D. Só que mesmo assim existe um trabalho, não é simplesmente apertar um botão e ter uma arma impressa. Eu acho que esse problema precisa, sim, ser considerado, mas não é necessário fazer qualquer tipo de alarde, independente da existência da impressora 3D, pois quem quer fazer o mal vai fazer o mal. É só um meio a mais — e não é um meio simples."

A história de Pepi

TecMundo: Qual é a história por trás do vídeo?

Jucá: "O Pepi mora em Sete Lagoas, Minas Gerais. Eu só o conheci no dia em que fui entregar a prótese, nunca o havia encontrado antes.

Como sou empreendedor, participo de muitas feiras e eventos e sempre levo minhas peças 3D, o que chama atenção. Em um desses eventos, levei uma prótese 3D — estava muito interessado em entrar nesse setor, mas não sabia direito como. Então, nessa ocasião eu conheci o primo do Pepi, Rafael, que sofreu um acidente aos 11 anos de idade e perdeu o braço esquerdo. Na hora que eu conheci o primo do Pepi, quis fazer uma prótese para ele e perguntei se ele toparia. E ele respondeu o seguinte: 'Pô, que legal. Então você vai fazer uma prótese, mas não é para mim, será para o meu primo'. Eu topei na hora e quis ir conhecer o Pepi, mas a distância foi um pequeno empecilho no começo.

Pepi é um menino de 11 anos que tem 3 metros e meio de altura. Algo está errado nessa conta

Como eu precisava saber as medidas do Pepi para desenvolver a prótese, pedi para os pais dele me ajudarem. Então, eles me enviaram a seguinte medida: 37 centímetros de antebraço. Quando recebi essa medida, só pensei uma coisa: 'O Pepi é um menino de 11 anos que tem 3 metros e meio de altura. Algo está errado' (risos).

Então, para não errar a medida, os pais dele me enviaram fotos do antebraço com a fita métrica ao lado. A partir disso, fiz um processo manual de visão computacional utilizando objetos de referência e peguei a medida correta. Então, fabriquei a prótese 3D em 15 dias e fui até Sete Lagoas entregá-la para o Pepi — e na hora que eu a coloquei, ele já conseguiu usar."

  • Vale notar que a prótese do Pepi é customizada com o tema do Homem de Ferro. Veja o momento no vídeo abaixo:

TecMundo: Como funciona essa prótese, já que ela possui articulação e faz movimentos?

Jucá: "Ela é totalmente mecânica e eu uso um conceito de tendões artificiais. Ela tem elásticos que permitem a posição de repouso e os tendões, que são feitos de nylon de multifilamento (é mais resistente). Para se mexer, tudo de que ela precisa é um movimento de alavanca para puxar os tendões — qualquer movimento de alavanca fecha a mão da prótese."

TecMundo: Pode nos contar um pouco sobre a sensação de ter realizado esse trabalho?

Foi uma experiência muito transformadora para mim

Jucá: "Cara, eu gosto de falar o seguinte: para mim, nunca faltou nada. Eu nasci em João Pessoa (Paraíba), já morei em Angola, no Equador, no Peru, na Califórnia. Fui privilegiado, tive uma educação completa em faculdade particular e sou muito grato por tudo que tenho. É muito fácil não dar atenção a isso e achar normal, mas sou muito grato, me sinto 'sortudo'. Também é muito fácil olhar para outra pessoa e não enxergar que algo para ela não é tão simples como é para você. Então, eu pude aprender a olhar para o próximo e entender as diferenças; sempre quis retribuir tudo isso de alguma maneira.

Entregar a prótese para o Pepi e ver que surtiu efeito, que funcionou, me deixou muito honrado de fazer parte disso na vida dele. Me senti muito lisonjeado, e muito humilhado até, porque é uma coisa 'tão simples', uma coisa de plástico que consegue fazer uma diferença tão grande na vida de uma criança, na vida de uma pessoa. Foi uma experiência muito transformadora para mim. Foi ali que eu decidi que era isso que eu queria fazer para a minha vida. Eu quero ajudar outras pessoas usando a tecnologia".

Projeto para deficientes visuais

TecMundo: Você tem mais projetos?

Jucá: "Sim, não faço só prótese 3D. Tenho esse projeto, que era meu TCC da faculdade, que é um dispositivo sensorial para deficientes visuais. Ele funciona com visão computacional e eu acabei montando com um Kinect (Microsoft Xbox) e câmeras convencionais. O deficiente visual enfrenta um problema de colisão, mesmo com bengala ou cão-guia — não há qualquer coisa que impeça a colisão com objetos acima da linha da cintura, por exemplo, como orelhão e galhos. Esse dispositivo serve exatamente para isso: ele projeta um cone de até 1 metro de altura e 3 metros de distância no corpo, usando visão computacional e programas IoT, e então reconhece obstáculos e vibra. Ele também pode fazer reconhecimento facial, comunicação por voz etc.

Esse dispositivo, que é um cinto, ainda está em desenvolvimento, mas o apoio está acontecendo. A Microsoft mostrou interesse em fazer um projeto em conjunto e estou em conversas para desenvolver. Venho chamando esse dispositivo de "Protesis Sense", já que oferece um feedback sensorial ao usuário.

Outro projeto que venho desenvolvendo é uma prótese elétrica de baixo custo. As próteses elétricas tradicionais costumam custar cerca de R$ 120 mil, em média. A que eu estou desenvolvendo deve custar no máximo R$ 10 mil."

Demanda alta

TecMundo: Quanto custa para desenvolver uma prótese 3D como a do Pepi?

Jucá: "Cerca de R$ 1 mil, mais em conta que uma mecânica, feita por métodos tradicionais, que custa entre R$ 10 mil e R$ 15 mil. As pessoas às vezes falam: 'ah, mas por ser de plástico vai ter uma durabilidade menor'. Isso é verdade, a durabilidade é menor. Mas você está pagando uma fração do valor tradicional e essa é a vantagem: tudo quebra; se ela quebrar, foi mais barata. Ainda, para uma criança em fase de crescimento, a prótese precisa ter trocada e alterada. Não faz sentido gastar R$ 15 mil em uma prótese para trocá-la pouco tempo depois porque não serve mais."

TecMundo: É um preço mais em conta mesmo. Você recebeu mais pedidos após o vídeo bombar no Facebook (atualmente, ele já teve mais de 3 milhões de visualizações)?

Jucá: "Estou com mais de 130 pedidos, tanto nacionais quanto internacionais, para fabricar próteses. Exatamente por isso estou realizando uma reestruturação rápida do negócio para atender a essa demanda. Atualmente, tenho uma capacidade de fabricação de até cinco próteses por mês. Agora, a meta é entregar as 100 primeiras próteses em até 3 meses; para isso, estou indo atrás de parceiros e até investimento para custear o trabalho. Também estou com sistema de doação, já aberto e com mais de 60 doações, para pessoas que querem ajudar nesse trabalho.

Próteses de outros super-heróis também serão produzidas

A Protesis é um negócio, mas é um negócio social. Não é caridade, eu vendo, mas é um preço mais baixo do que os de outras soluções e ainda pode ter o produto doado por meio desse fundo de arrecadação. É como um financiamento coletivo."

TecMundo: As encomendas de próteses são padrão ou existem diferenças?

Jucá: "Todas serão personalizadas. São personalizadas com o gosto de cada usuário, não vai ter uma prótese igual à outra. Cerca de 60% dos pedidos são próteses infantis. Já pediram para eu fazer temática do Capitão América, do Homem-Aranha... Um garoto pediu para eu fazer o braço do Hulk, que tem um tamanho maior, será bem bacana.

Muitas pessoas pediram próteses de perna, mas infelizmente eu só consigo fabricar de membros superiores. Para pernas, os materiais têm que ser mais resistentes e é necessária outra tecnologia. Não consigo atender, ainda. Logo mais, conseguirei atender essas pessoas, mas se eu achar um terceiro que possa fazer isso, posso conectar ambos. Estou aberto a parcerias. Quanto mais pessoas puderem me ajudar no negócio, melhor."

TecMundo: A ideia é partir para outras soluções médicas por meio da Protesis?

Jucá: "Sim. Além do projeto para deficientes visuais, tenho projetos voltados para outras deficiências — como Mal de Parkinson e Alzheimer."

Qual é o ponto?

TecMundo: Por que pintar as próteses? Normalmente, elas são padronizadas. O que você pensa sobre isso?

Thiago Jucá: "Montar uma prótese do Homem de Ferro pode ser uma coisa superdiscutível. A gente vive hoje em um mundo em que o braço precisa seguir um padrão, tem que ser igual, tem que parecer de verdade. Eu falo que a criança não tem que se preocupar com isso, ela tem que se preocupar em ter o braço do seu super-herói favorito. E não é só criança, isso serve para adultos também. Tenho uma encomenda de um cara que é torcedor roxo do Corinthians e quer um braço do time. Então, a personalização dá orgulho, entrega autoestima para a pessoa. É como uma tatuagem, tem um significado. É a sua identidade, é transferir isso para um membro.

Se eu fizer com que a pessoa se sinta bem com o aparelho, acho que ganhei

Eu acredito muito que minha missão nem seja só a reabilitação motora, mas sim a reabilitação emocional e psicológica. Se eu conseguir fazer com que a pessoa se sinta bem com o aparelho, acho que ganhei. Acho que acertei."